Médicos no ES usam redes sociais para identificar diabéticos sem tratamento<br> - Diabetes, Vida e Comunidade

Médicos no ES usam redes sociais para identificar diabéticos sem tratamento

05/10/2017 - http://www.jornalfloripa.com.br/agencia/noticia.php?id=23554


Com essa estratégia, as unidades públicas de saúde de Vila Velha (ES) conseguem identificar diabéticos sem tratamento e vêm reduzindo os quadros graves da doença. Médicos e enfermeiros das 18 UBSs da cidade participam das redes sociais do Propé.

A foto do pé serve para identificar lesões e deformidades que caracterizam o chamado pé diabético, consequência da alta taxa de glicose no sangue. Sem cuidados, as lesões podem levar a infecções graves, necroses e necessidade de amputação.

No Brasil, há cerca de 18 milhões de pessoas com diabetes (8,9%). E uma estimativa da Federação Internacional do Diabetes indica que metade dos adultos diabéticos não sabe que tem a doença.

Há quem descubra ser diabético no momento da amputação."

Eliud Garcia Junior, coordenador do Programa de Proteção ao Pé Diabético

Identificar uma micose, uma ferida ou uma rachadura no pé pode ser como esbarrar na ponta de um iceberg.

"Quando o diabético tem lesão no pé, é sinal que já está com problemas renais, cardiovasculares, nos olhos", diz Garcia.

9 em 10 casos está ligados a hábitos poucos saudáveis Há dois tipos de diabetes, o tipo 1 é uma doença autoimune, que o indivíduo possui desde o nascimento e representa cerca de 10% dos casos. No entanto, a maioria dos casos (90%) é do tipo 2, que é adquirido ao longo da vida e está ligado a sedentarismo e a alimentação desequilibrada, e aparece em geral após os 40 anos.

Silenciosa, o diabetes literalmente desliga sinais ao chegar nos pés. A neuropatia tira a sensibilidade natural da pele e dos músculos do membro. "Como não sente dor, o paciente não sabe quando está com algum problema", explica o cirurgião vascular Sérgio Belczak.

"Simples arranhões, cortes e até o uso de sapatos apertados podem ocasionar calos e inflamações que dão início aos ferimentos", conta o médico.

Bota levou à amputação

O industriário Reginaldo Teixeira, 65, não reparou que a bota que usava no trabalho estava causando machucados.

O uso da botina fez formar um calo no meu dedo mindinho do pé direito. Passei a fazer curativos em casa, mas criei entrada para bactéria. Até que fez necrose, ficou preto, e tive que amputar."

O problema maior, contudo, estava no pé esquerdo, no qual também nada sentia.

"Brotou um olho vermelho, aflorou para parte externa. Peguei uma infecção e fiz quatro cirurgias para remoção da carne necrosada. Mas fica difícil o controle. A solução para [a infecção] não subir pela tíbia foi amputar o pé inteiro", diz Teixeira.

A amputação o livrou da infecção e serviu de alerta para uma mudança de hábitos, como rotina de exames, caminhadas e dieta equilibrada.

Belczak explica que os quadros graves do diabetes estão ligados principalmente à falta de diagnóstico ou de ações preventivas e ao atendimento médico pouco específico.

"Uma vez na praia, por causa da perda de sensibilidade, não senti a areia quente e fiquei com uma vermelhidão no peito do dedão do pé direito. Minha esposa me ajudou a fotografar, e eu mandei a foto para a rede do Propé. Diagnosticaram que era queimadura e disseram qual medicamento usar", conta o paciente de Vila Velha. "É um médico virtual."
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Outubro - 2017
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.