Diabetes tipo 2 e falência aos medicamentos orais<br> - Diabetes, Vida e Comunidade

Diabetes tipo 2 e falência aos medicamentos orais

19/12/2017 - http://www.jornalcco.com.br/artigos/visualizar/diabetes-tipo


Para o tratamento do diabetes tipo 2, onde o paciente produz insulina, existem vários medicamentos disponíveis, cada um com uma forma diferente de ação. Apesar dos avanços recentes, com medicações modernas, muitos pacientes acabam perdendo o controle do diabetes por falta de resposta aos medicamentos orais. Isso é chamado de falência aos medicamentos orais. Os pacientes se queixam que mesmo fazendo dieta adequada, exercícios físicos e usando os medicamentos regularmente, a glicose não fica controlada. Essa falência aos medicamentos orais pode acontecer poucos meses ou muitos anos após o início dos medicamentos.

Quais as causas dessa falência?

O diabetes não tem uma única causa. Pode ser provocado por falta de produção de insulina, falta de resposta do organismo à ação da insulina (chamada resistência insulínica), produção aumentada de hormônios que prejudicam a ação da insulina, aumento da produção de glicose pelo fígado, aumento da reabsorção de glicose filtrada na urina, etc. Alguns pacientes têm apenas um, outros pacientes têm vários desses mecanismos levando ao diabetes.

Portanto, dependendo da causa do diabetes em determinado paciente, a medicação pode ou não ter efeito no tratamento. Alguns pacientes apresentam uma boa resposta no início com um tratamento, mas depois passa a não conseguir mais um controle adequado porque sua medicação trata apenas uma das causas de seu diabetes.

Uma outra questão importante é o fato de que o diabetes é uma doença progressiva. A grande maioria dos pacientes diabéticos tipo 2 vão, com o tempo, deixar de produzir insulina e passarão a ter necessidade de injeções diárias de insulina para manter a doença sob controle. A região do pâncreas chamada ilhota é responsável pela produção de insulina e vai sendo substituída por gordura. A velocidade com que isso ocorre varia de pessoa para pessoa e é possível retardar esse processo, permitindo que o corpo reaja por mais tempo aos medicamentos orais.

Como prevenir ou retardar essa falência?

· O passo principal é levar a sério o tratamento desde o diagnóstico do diabetes. Estudos comprovam que quanto mais rápido o paciente conseguir um bom controle, mais tempo seu pâncreas conseguirá produzir insulina de forma correta e mais tempo seu organismo conseguirá manter uma boa resposta com o mínimo de medicações. Isso é chamado “memória metabólica”: nosso corpo se acostuma com o bom controle da glicose e passa a ajudar a manter esse bom controle através de mudanças no metabolismo.

· Ter sempre em mente que a medicação ajuda, mas não é a parte principal do tratamento: alimentação equilibrada e exercícios físicos regulares são importantes.

· Utilizar corretamente a medicação prescrita: pacientes rebeldes, que não usam a medicação nos horários e doses prescritas perdem rapidamente a capacidade de reagirem bem aos medicamentos. Isso aumenta a chance de virem a precisar usar insulina em pouco tempo. · Realizar controles clínico-laboratoriais periodicamente: isso ajuda a saber qual mecanismo está prejudicando o bom controle do diabetes, permitindo ao médico associar ou trocar a medicação da forma correta.
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • sfiddkci
    14/02/2018 - 22:03

    4111111111111111

  • yqlmnovu
    16/04/2018 - 10:29

    4111111111111111

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Julho - 2018
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

© Copyright 1997-2018 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.