A realidade que dificulta o controle do diabetes - Diabetes, Vida e Comunidade

A realidade que dificulta o controle do diabetes

12/09/2018 - https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/a-realidade-qu


Um estudo publicado pela Universidade de São Paulo em 2014 já mostrava: mais de sete em cada dez pessoas com diabetes tipo 2 não aderem ao tratamento. Mas você sabe os motivos que estão por trás desse número tão alto? Vamos explorar três das principais razões por aqui.

A maioria da população brasileira é atendida por clínicos-gerais, e o fato é que a maior parte deles não tem conhecimento profundo sobre o diabetes. Assim, não conseguem transmitir todas as informações e instruções essenciais para o tratamento, como medir a glicemia, aplicar insulina, o que fazer quando ocorre uma hipoglicemia, como escolher os melhores alimentos, quais atividades físicas realizar…

Não menos importante é a questão do acesso aos medicamentos e insumos. Os estados e municípios têm registrado faltas pontuais ou frequentes (caso do Rio de Janeiro) no SUS, o que prejudica muito a continuidade do tratamento, pois boa parte dos cidadãos não dispõe de recursos para comprar por conta.

Precisamos que a indústria, os estabelecimentos, o governo e toda a sociedade despertem para conscientizar a população sobre o diabetes e facilitar escolhas e comportamentos mais saudáveis, sobretudo para quem já tem o diagnóstico.

Nesse sentido, quero destacar o projeto de Lei do Copo Azul, sancionado pelo governador do Estado de São Paulo no dia 13 de julho. A iniciativa “determina a todos os estabelecimentos comerciais que disponibilizem copos descartáveis em cor predominantemente azul com a inscrição ‘Zero Açúcar’, para utilização em máquinas de refrigerantes…”.

Realmente, não existe diferenciação entre as embalagens utilizadas para essas bebidas nas versões normal e zero. Já ouvi vários depoimentos de pessoas com diabetes relatando a troca dos refrigerantes em grandes redes de fast food. Isso ocasiona um rápido aumento na glicemia, capaz de gerar uma sensação de mal-estar (com sintomas como suor frio, perda da concentração, vontade de urinar sem parar, sede excessiva…).

A sorte é que, percebendo que algo andava errado, elas checaram a glicemia e viram que o resultado estava na casa dos 500 mg/dl, quando o normal após duas horas do almoço devia ser no máximo 160 mg/ dl para quem tem diabetes. E vejam o perigo: se conservar essa glicemia nas alturas por muito tempo, o indivíduo pode entrar em estado de cetoacidose, uma descompensação que pode acabar em coma. No caso de uma criança com diabetes, o pequeno pode vir a morrer.

A Lei do Copo Azul é um avanço no sentido de proteger as pessoas com diabetes. Mas não é uma solução total. As redes de fast food precisam diminuir, de qualquer jeito, a quantidade de açúcar de suas bebidas. Outro ponto que chama a atenção: fiquei sabendo que, em algumas marcas de refrigerante, a embalagem da opção zero mudou e está mais parecia com a da versão normal (só uma faixa indica a ausência do açúcar). Ora, imagine a quantidade de gente se confundindo, comprando e tomando a versão que não desejavam ou evitavam.

Pensemos um pouco mais nos outros. Será que está tão difícil ajudar os 16 milhões de brasileiros com diabetes a viverem bem, podendo fazer escolhas mais conscientes e saudáveis, e, ao mesmo tempo, reduzir os gastos do governo com essa condição e suas complicações?

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Setembro - 2018
D S T Q Q S S
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

© Copyright 1997-2018 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.