Entrevista com Profa. Dra. Mari Cleide Sogayar - Laboratório de Separação de Ilhotas - Diabetes, Vida e Comunidade

Entrevista com Profa. Dra. Mari Cleide Sogayar - Laboratório de Separação de Ilhotas

31/03/2003 - Comunidade DiabeteNet.Com.Br

Foto Equipe

O transplante de ilhotas pancreáticas já é uma realidade no Brasil e grande parte do sucesso deste tipo de transplante deve-se à equipe da Unidade de Ilhotas Pancreáticas Humanas (UIPH), do Instituto de Química (IQ), da Universidade de São Paulo - USP, sob a coordenação da Profa. Dra. Mari Cleide Sogayar.

O processamento do pâncreas, que permite a obtenção, purificação e encapsulamento das ilhotas pancreáticas, conta com uma equipe de profissionais especializados, dentre os quais a Profa. Dra. Anna Carla Goldberg, os Drs. Carlos Mayora Aita e Letícia Labriola, os doutorandos Elizabeth Maria de Oliveira, Karin Krogh, e Fernando Lojudice da Silva, todos bolsistas da FAPESP, e a técnica Irenice de Cairo Silva.

Para que todos possam conhecer melhor este trabalho tão importante e tão pouco divulgado, fomos ao Instituto de Química (IQ) da USP, onde fomos gentilmente recebidos pela Dra. Mari Cleide Sogayar e pelo Dr. Carlos Mayora Aita, que falaram sobre o trabalho desenvolvido pela UIPH.

Parte I – Entrevista com a Dra. Mari Cleide Sogayar

DN: Como começou este trabalho?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Tudo começou quando, há cerca de 8-9 anos, o Dr. Freddy veio nos procurar para colaborar neste projeto de "Isolamento, purificação, criopreservação e encapsulamento de ilhotas pancreáticas humanas para transplante em pacientes diabéticos". Durante cerca de 3 anos (1994-1997) um grande esforço foi feito no sentido de padronizar o procedimento, utilizando pâncreas canino, mas, a partir de 1997, decidiu-se utilizar pâncreas humanos de doadores cadáveres.

DN: Com o início do estudo de pâncreas humanos de doadores cadáver, não foi necessário aumentar a equipe?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Desde o início foi montada uma equipe multidisciplinar, formada por médicos clínicos e cirurgiões e de pesquisadores da área básica, equipe esta que ficou sob a coordenação geral do Dr. Freddy Eliaschewitz. Dentro desta equipe, os cirurgiões se encarregaram da captação e retirada do pâncreas dos doadores, enquanto a equipe da UIPH se encarregou do processamento do pâncreas para o isolamento, a purificação, a criopreservação e o encapsulamento de ilhotas pancreáticas humanas. Foi necessário formar pessoal qualificado para enfrentar este desafio.


DN: Foi necessária alguma modificação nos laboratórios já existentes no IQ para este projeto?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Sim, graças ao apoio financeiro irrestrito da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e logístico do Depto. de Bioquímica, do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo, aos poucos fomos montando a Unidade de Ilhotas Pancreáticas Humanas do IQ-USP (a primeira do Brasil) que conta, hoje, com um laboratório padrão GMP (Good Manufacturer’s Practice), que possui padrão internacional de qualidade, tendo sido instalado especialmente para este projeto.

DN: Desde o início dos trabalhos, quantos pâncreas humanos foram processados para aprimoramento da técnica?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Até o primeiro transplante de ilhotas no Brasil, realizado no final do ano de 2002, já havíamos processado cerca de 100 órgãos, o que permitiu adquirir bastante experiência e conhecimento no assunto.

DN: Que outros projetos estão sendo desenvolvidos na UIPH?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Continuamos trabalhando no aperfeiçoamento das técnicas de separação, purificação e preservação das ilhotas, mas, nosso próximo desafio, é o de encapsular estas ilhotas para evitar a rejeição pelo organismo do receptor sem o uso de imunossupressores.

DN: Por que encapsular ilhotas?
Dra. Mari Cleide Sogayar: A imunossupressão causa vários incômodos ao paciente e nosso grande desafio é como fazer o transplante de ilhotas sem o uso de imunossupressores. Seria necessário produzir microcápsulas de material poroso que permitissem a entrada de nutrientes e a troca de gases e a saída da insulina secretada pelas células beta e, ainda, que impeçam a entrada de células e anticorpos, mas que permitam o afluxo de sangue. Um biomaterial com estas características poderia permitir o encapsulamento das ilhotas de Langerhans, com manutenção de sua capacidade de sobrevivência e renovação. Este tipo de material ainda não está disponível, mas poderia permitir realizar o tratamento do diabetes por implante de ilhotas, sem a necessidade de se utilizar medicamentos imunosupressores.

DN: E quais as dificuldades?
Dra. Mari Cleide Sogayar: São várias as dificuldades que temos que resolver, dentre elas:
- Definir um material que seja poroso o suficiente para permitir a entrada de glicose e oxigênio, essenciais à sobrevivência da ilhota, mas que não permita o acesso de anticorpos e células do sistema imunológico às ilhotas;
- Esta cápsula não deverá ser "enxergada' pelo sistema imunológico e, além disso, deverá ser duradoura;
- Temos que aumentar o número de ilhotas que continuam produzindo insulina mesmo depois do trauma causado pelo processo de isolamento e purificação;


DN: Já foi encontrado algum material para o imuno-isolamento/encapsulamento de ilhotas?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Um material ideal, com TODAS as características enumeradas, ainda não foi encontrado. Atualmente, estamos investindo esforços no encapsulamento destas ilhotas em alginato e em outros materiais, visando "mimetizar" o ambiente pancreático para facilitar a sobrevivência e a durabilidade do implante de ilhotas encapsuladas.

DN: E quanto à escassez de pâncreas?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Como se trata de uma pesquisa, estando, portanto, em fase experimental, só temos acesso ao pâncreas depois que todos os centros transplantadores do país recusarem o pâncreas. Mesmo assim, a maioria das ilhotas isoladas na UIPH é de alta qualidade. Ainda gostaríamos de melhorar o rendimento, que é equivalente àquele obtido em outros centros mundiais, mas que ainda obriga a utilizar 2 a 4 pâncreas para cada receptor. Levando em conta a escassez de órgãos e o rendimento inferior a 100% no isolamento das ilhotas, estamos tentando resolver o problema de massa de ilhotas para o transplante através de pesquisas que buscam substâncias/condições que facilitem a reprodução das ilhotas em cultura, no laboratório. Estamos bastante esperançosos com os resultados.

DN: Vocês contam com que tipo de apoio financeiro?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Apesar de promissor, este projeto tem um custo bastante elevado, o qual tem sido bancado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), tanto na forma de bolsas como na forma de Auxílios à Pesquisas. Esta fundação foi de primordial importância para nosso projeto, apoiando a montagem da infraestrutura necessária para o isolamento, purificação, encapsulamento e caracterização das ilhotas. Muitas vezes nos deparamos com alguma dificuldade técnica e ficamos sabendo que, em algum centro mais desenvolvido, um colega já a superou. Temos que ser rápidos e viajar, permanecendo algum tempo com este grupo de forma a trazer a solução para continuidade e melhora do nosso projeto. Mesmo assim, temos que restringir bastante os gastos com pesquisa pois as verbas são escassas. O certo é que se houvesse mais verbas, já teríamos avançado bem mais rumo à cura definitiva do diabetes.

Alem da FAPESP, outras agências financiadoras de pesquisa (FINEP, CNPq), a Pró-Reitoria da USP, o Instituto de Química e, agora que iniciamos o procedimento em pacientes diabéticos, o Hospital Albert Einstein também tem nos apoiado.


DN: Quem estiver interessado na continuidade deste projeto, pode fazer algum tipo de doação?
Dra. Mari Cleide Sogayar: Sim, basta depositar em nome da Universidade de São Paulo-NUCEL (Núcleo de Terapia Celular e Molecular), em qualquer agência do Banco do Brasil.

Agência: 1897 – X
CC: 5.670-7


Encerramos a primeira parte da nossa entrevista mostrando o trabalho desenvolvido no Institudo de Química da USP pela equipe da Unidade de Ilhotas Pancreáticas Humanas (UIPH), com a coordenadora do grupo, Dra.Mari Cleide Sogayar.

Na segunda parte estaremos publicando entrevista com o Dr. Carlos Mayora Aita, um dos responsáveis pelo processo de separação, purificação e tratamento das ilhotas no laboratório da UIPH.
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • dorothy de castro
    17/01/2010 - 12:16

    Sinceros parabens à dra Mary Cleide Sogayar e dr Carlos Mayora Aita, bem como à toda equipe.
    Sou portadora de diabetes Melitus( tipo2) e sei o que isso representa para quem o é. À 2 meses fiz uma colicistectomia, onde foi retirada minha vesícula já gangrenosa, com 21 cálculos. Talvez eu não chegue à me beneficiar com essa maravilha que vcs estão implantando pois tenho 64 anos, mas na certa meus filhos e netos chegarão, se tiverem essa herança... Obrigada, que Deus os abençoe. e ilumine cada vez mais essa ciência.

  • dorothy
    17/01/2010 - 13:00

    Sinceros parabens à Dra Mary Cleide Sogayar ,ao dr Carlos Mayora Aita bem como à toda equipe médica. Sou portadora de diabetes melitus(tipo 2) e sei o qque isso representa para quem o é. à 2 meses fui submetida à uma colicistectomia de emergencia onde foram retirados 21 cálculos da minha vesicula que estava gangrenosa. Talvez eu não venha a me beneficiar dessa maravilha que vcs estão implantando, mas com certeza meus descendentes , caso venham à ter diabetes vão usufruir. tenho 64 anos e sou dibética à 24 anos.
    Deus os abençoe por essa escolha na medicina, e ilumine cada vez mais essa ciência.

  • anajara
    02/03/2010 - 16:48

    Parabéns!A toda equipe da Dr.Mary.Fico feliz de ter pessoas preocupadas e decididas a contribuir para soluções,mesmos que parciais do diabetes.Tenho um sobrinho com a D.tipo 1,é complicadissimo...está sempre em descontrole,o tratamento é realizado por uma Dr. que nos orienta bem e graças a Deus que minha irmã tem dom para cuidar bem do Maheus,precisa-se encontrar a cura.E vejo que está bem proxima.

  • anajara
    02/03/2010 - 16:56

    Parabéns!A toda equipe da Dr.Mary.Fico feliz de ter pessoas preocupadas e decididas a contribuir para soluções,mesmos que parciais do diabetes.Tenho um sobrinho com a D.tipo 1,é complicadissimo...está sempre em descontrole,o tratamento é realizado por uma Dr. que nos orienta bem e graças a Deus que minha irmã tem dom para cuidar bem do Maheus,precisa-se encontrar a cura.E vejo que está bem proxima.

  • Hélio Coelho.
    22/04/2011 - 20:23

    Senhores.
    Gostaria de obter informações atualizadas do trabalho desenvolvido na unidade de ilhotas pancreaticas humanas, pois tenho uma filha com 3 anos e que está com diabetes e estamos em total desespero. Hélio

  • MAGALI
    01/06/2011 - 13:37

    BOA TARDE, TEMOS UMA FILHA COM 7 ANOS DE IDADE QUE POSSUI DIABETE TIPO 1. EXISTE COMO ENVIAR INFORMACOES SOB A UNIDADE DE ILHOTAS, E NA IDADE DELA PODE SER FEITO ALGUM TIPO DE INTERVENCAO MEDICA PARA QUE NAO SEJA MAIS NECESSARIO APLICACAO DE INSULINA ??? OBRIGADA

  • Dr.bolivar.G.silva
    30/08/2011 - 22:21

    Sou diabetico tipo 2 alem medico cirurgiao plastico fique muito interezado com a pesquiza .eu quero conhecer mais sobre a pesquiza e saber se ja tem resultados em pacentes, que eu quero tb esse tratamento

  • Márcio Arosti
    20/09/2011 - 09:51

    Sou diabético tipo I e tomo insulina diariamente. Tenho que fazer exercícios e sofro muito com as restrições alimentares. Sei que a doença é, por enquanto, incurável conforme dizem os médicos e que, se não tratada, posso perder a visão, ter os rins comprometidos seriamente, dificuldades na relações sexual, etc. É muito sofrimento sentir as picadas das agulhas da seringa ao tomar a insulina várias vezes e sofrer, também, com as restrições alimentares.
    Agraço muito por existir pessoas inteligentes que estudam e pesquisam em busca de soluções para muitas doenças, entre elas, o diabetes.
    Coloco-me à disposição para auxiliar ou contribuir nos estudos, ou nas técnicas de experimentos, com a cápsula que envolve as ilhotas.
    Desejo, também, ser cadastrado e receber informações sobre os experimentos que, com certeza, são abençoados e ajudarão pessoas diabéticas num futuro próximo.


  • Mauro de Amorim
    05/11/2012 - 10:46

    Agradeço o trabalho da Dra Mary Cleide Sogayar e do dr Carlos Mayora, Recebi a noticia recentemente que meu filho de 21 anos pode ter adquirido a doença, que deus abençoe o trabalho de voces, se pudesse e tivesse recursos, ajudaria sem duvida nas pesquisas.

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Entrevistas
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.