Prof. Dr. Luiz Estevam Ianhez: Nefropatia Diabética - Diabetes, Vida e Comunidade

Prof. Dr. Luiz Estevam Ianhez: Nefropatia Diabética

21/06/2004 - Comunidade DiabeteNet.Com.Br


Dr. Luiz Estevam Ianhez é Prof. Livre Docente de Nefrologia da FMUSP e também chefe do setor clínico da Unidade de Transplante Renal do HCFMUSP


Diabetenet - O que é Nefropatia Diabética?

Dr. Luiz Estevam  - Nefropatia Diabética é uma doença renal decorrente do diabetes que ocorre a longo prazo.

Diabetenet - Existe como prever se um paciente diabético tem mais propensão a desenvolver nefropatia diabética ou não?

Dr. Luiz Estevam  - Podemos dizer que cerca de um terço dos indivíduos com diabetes tipo 1, juvenil ou insulino-dependentes vão desenvolver nefropatia diabética a longo prazo. Esse risco é um pouco menor no diabetes tipo 2, do adulto, mas como existem muito mais casos de diabetes tipo 2, o número de indivíduos com insuficiência renal decorrentes da nefropatia diabética  torna-se igual em ambos os tipos.

Diabetenet - Existem estágios na Nefropatia Diabética? E quais são os sintomas de cada estágio?

Dr. Luiz Estevam  - No inicio do diabetes, o rim não é acometido. Geralmente o acometimento renal se dá após 10 anos do início da doença, no entanto existem vários fatores que vão indicar se o indivíduo vai ter ou não complicações nos rins, são o que a gente chama de fatores prognósticos da insuficiência renal. Por exemplo, um diabético bem controlado tende a ter um acometimento renal mais tardiamente, o diabético tratando bem sua pressão arterial, o distúrbio dos lipides, o colesterol, , o nível dos triglicérides, estará protegendo seus rins. Também existem medicamentos, que usados, protegem os rins do diabético, então hoje em dia se indica o uso desses medicamentos numa fase que os rins ainda não estão comprometidos. Freqüentemente, um modo de avaliar o comprometimento renal, é verificar se o paciente diabético já apresenta retinopatia, pois ambas complicações caminham juntas. Hoje em dia com o uso de novas terapias insulínicas, com o uso de novas drogas, se o paciente for muito bem tratado clinicamente, existem maiores chances de se prevenir a nefropatia diabética.

Diabetenet - No inicio da nefropatia diabética, existem sintomas que possam ser percebidos pelo paciente?
 
Dr. Luiz Estevam  - Um dos principais sintomas que pode ser percebido pelo paciente, é quando ele apresenta espuma na urina, conhecida como proteinúria, que indica a presença de proteína na urina. Outro sinal é a hipertensão arterial (pressão alta), esses costumam ser os sintomas mais freqüentes no inicio da nefropatia diabética.

Diabetenet - A não ingestão de sal, desde a manifestação da doença, poderia ser um meio de evitar a complicação renal?

Dr. Luiz Estevam  - O sal não desempenha papel importante no gênese da nefropatia diabética , ele faz mal, no entanto para aquele paciente que já possui hipertensão arterial associada a nefropatia diabética, então ele se torna algo muito ruim.

Diabetenet - Existe algum alimento ou remédio que deve ser evitado por quem possui nefropatia diabética?

Dr. Luiz Estevam  - O paciente que já tem nefropatia diabética instalada, em relação a dieta, ele deve consumir pouca proteína de origem animal, como carnes, peixes, ovos, leite e derivados. Quem já possui nefropatia diabética, também deve evitar o consumo de sal, para evitar edemas (inchaço), aumento da pressão arterial. Existem alguns remédios que prejudicam os rins, são os chamados antiinflamatórios, usados de maneira muito comum em dores musculares ou articulares.

Diabetenet - Qual a importância do controle da pressão arterial no diabetes?

Dr. Luiz Estevam  - No portador de diabetes o controle da pressão arterial é muito importante pois o descontrole prejudica os rins,  prejudica a retina e, conseqüentemente, piora as artérias, acelerando a arteriosclerose, portanto o controle da pressão arterial, torna-se fundamental, o diabético deve procurar manter sua pressão em torno de 120 X 80 mmHg.

Diabetenet - O exame da microalbuminúria é importante para o diagnóstico da nefropatia diabética?

Dr. Luiz Estevam  - Sim, a microalbuminúria é o primeiro exame que se altera, então hoje você tem chances de usar remédios que protegem os rins, sendo que o exame da microalbuminúria deve fazer parte do seguimento do paciente diabético, e quando ela começa a aparecer, você deve começar a utilizar as drogas protetoras que são os chamados inibidores da ECA ( enzima de conversão ), ou então os antagonistas de angiotensina 2, podendo assim então evitar ou retardar o aparecimento da nefropatia diabética.

Diabetenet - A nefropatia diabética, uma vez instalada é irreversível  ?

Dr. Luiz Estevam  - Sim ela é irreversível, o que pode-se fazer com essas medidas mencionadas como dieta, o tratamento da dislipidemia, a utilização das drogas protetoras dos rins, e o controle da pressão, é fazer com que o tempo entre o inicio  da doença  e a indicação de um transplante renal,  passe de cinco para oito, dez ou doze anos, mas sua progressão é inexorável

Diabetenet - Durante muitos anos se utilizou medir a glicose na urina, e para um paciente diabético de longa data, porque esse método deixa de ser eficiente?

Dr. Luiz Estevam  - Medir a glicose na urina é algo que não se faz mais hoje em dia, eu não utilizo esse método, o que vale é a determinação da glicemia no sangue, eu considero sem valor a medição da glicose na urina, por quem tem problema  renal ou não.

Diabetenet - Em relação ao paciente diabético em hemodiálise, o aumento do número de sessões de 3x por semana para mais diminuiria as complicações ?

Dr. Luiz Estevam  - Uma diálise bem feita , evita a progressão das outras complicações do diabetes, pois o rim já se encontra comprometido mesmo, mas pode ajudar na neuropatia, retinopatia, mas não existe comprovação de que uma diálise diária, possa melhorar as complicações do diabetes, e do ponto econômico parece ser complicado, e o ideal para o diabético seria fazer um transplante renal, pois o diabético, não vai muito bem em diálise.

Diabetenet - Na insuficiência renal terminal, o tratamento seria um transplante renal. O que determina se esse transplante deve ser um transplante renal isolado ou duplo (pâncreas-rim) ?

Dr. Luiz Estevam  - O transplante isolado do rim, desde que o paciente tenha um diabetes bem controlado, sem outras complicações, com ausência de retinopatia, sem outras patologias, tem a pressão boa, o transplante de rim isolado, principalmente com doador vivo, na fase pré-dialise, é uma ótima opção terapêutica, porque você resolve o problema da insuficiência renal, e você conta com o futuro seja o transplante de ilhotas ou pâncreas isolado. Agora o diabético que já está em diálise, não tem um doador vivo, e tem um diabetes descontrolado, com complicações, então se indica o transplante duplo (pâncreas/rim) concomitante.

Diabetenet - Em relação ao esquema imunossupressor, cogita-se o abandono do uso de corticóides. Já que a secretária da saúde fornece os medicamentos utilizados nos protocolos sem uso de corticóides, por que este tipo de protocolo (sem corticóides) não é prioridade?

Dr. Luiz Estevam  - Atualmente o melhor esquema imunossupressor é o esquema de Tacrolimus, que veio substituir a Ciclosporina e o Micofenolato mofetil, que veio a substituir a Azateoprina e a indução pode ser feita com outros monoclonais tais como o Zenapac ou Simulet®. Com esses novos medicamentos, pode-se conseguir a redução das doses de corticóides a doses muito pequenas, geralmente abaixo de 0,10 mg/Kg de peso de Prednisona. Com isso os efeitos colaterais são muitos pequenos. Outra droga que já está sendo utilizada, inclusive já é fornecida pela Secretaria da Saúde, e que pode reduzir mais ainda o uso de corticóides é a Rapamicina, apesar de não se ter muita experiência no Brasil, mas já está se usando associada ao micofenolato ou ao tacrolimus. Usando-se pouca dose de corticóide no início do transplante e uma dose de manutenção mínima, comprova-se que o corticóide não é tão maléfico quanto o uso de doses altas que se utilizava no início aonde não se tinha outras drogas e tinha-se que usar doses altas deste medicamento. Em suma, o fato de não tomar corticóides não é tão importante pois doses pequenas apresentam-se bastante benéficas e quase sem efeitos colaterais. No meu consultório, por exemplo, tenho mais de 150 pacientes transplantados, 30 deles diabéticos, e todos recebem doses pequenas  de Prednisona sem maiores.

Conclusão:

O que deve-se levar em consideração, quer na prevenção, quer naquele paciente que já tenha indício de nefropatia diabética, é o controle adequado da glicemia e o controle adequado da pressão arterial com todas as drogas disponíveis. Isso é fundamental pois além de você proteger os rins, protege também a retina e protege outros órgãos ou tecidos.

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • lica
    30/11/2008 - 15:10

    gostaria de saber sobre alimentos nomes populares para nefropatia diabética com restrição de proteina animal e vegetal; pois não acho nada que minha mãe pode comer nem os propios médico sabem e se esse é o melhor caminho?

  • Ines medeiros
    18/01/2009 - 22:21

    gostaria de saberse jáestão fazendo pesquisa com celulas tronco para doença renal terminal, pois meu marido tem 55 anos, faz hemodialise 3 vezes por semana e gostaria de ser voluntário...como proceder a inscrição?
    aguardo anciosa a resposta
    um abraço

  • cris
    03/05/2009 - 00:03

    meu painel é de 100%,mto díficil de transplantar,sendo assim comecei a 4 meses tomar a imunoglobulina humana para tentar um transplante.
    gostaria de saber se vc tem algum caso que tenha obtido sucesso c essa medicação,faço diálise peritonial a 4 anos ,estou me sentindo debilatada ultimamente apesar de tomar eritopoitina.

  • lucineia
    16/01/2010 - 20:30

    tenho 40 anos e ha 01 ano descobri que tenho diabetes, bem como tb descobri em exames que so tenho um rim,qual a porcentagem de ser diabetica e viver apenas com um rim? tomo metformina 800 mg e glibenclamida duas vezes aos dia , preciso fazer controle com nefrologista tb? quais exames seria indicados para prevenir meu unico rim? obrigada

  • Ana Lucia
    25/03/2010 - 14:48

    Tenho um parente que apresentava espuma na urina e foi diagnosticado mieloma multiplo após muitos exames e muito tempo perdido sem tratamento adequado. deixo aqui um alerta para quem tiver esse sintoma.

  • isabel oliveira tave
    04/05/2010 - 05:39

    não tenho hitorico de diabeti na famlia minha gichose deu 103
    oque fazer ja sou diabetica????? por favor responda-
    megrata sabel

  • isabel oliveira tave
    04/05/2010 - 05:48

    não tenho histórico de diabeti na familia minha glicosise deu 103
    o que fazer?? já sou diabetica??? por favor responda-me
    grata isabel

  • nélia
    19/06/2010 - 15:54

    adorei esse conteudo,estou fasendo enfermagém...
    tinha um trabalho pra faser sobre diabeticos e esse conteudo foi o suficiente...parabéns pelo conteudo....
    abraço...

  • adriana
    03/09/2010 - 10:21

    Gosteria muito de saber se o diabetico tem restrições em certos medicamentos, e qual são os remedios que eles não podem de forma alguma tomar.....sem mais obrigado.

  • rejane aparecida
    28/06/2011 - 18:40

    Gostei muito da entrevista, sou diabetica e estou com problema nos rins. Será que esse meu inchasso no corpo tem a ver com isso? Gostaria de receber resposta por email. Muito obrigada.

  • Jorge
    04/07/2011 - 18:16

    Meu pai de 64 anos, diabético ha aprox. 20 anos, safenado há 08, não faz um controle adequado do diabetes. Há aprox. 15 dias, sofreu umka queda no banheiro, negou dores no dia. Após 08 dias manifestou dores forte no local da batida, costas e ombro. Foi ao PS, raio X, diagnóstico de LUXAÇÂO no ombro esquerdo. Durante duas semanas foi e voltou ao PS por 04 vezes com muita dor e em todas foi aplicado e receitado anti-inflamatórios ( entre eles o DICLOFENACO). Na última semana não conseguiu comer nada e quando consegue vomita. De quinta-feira p/ cá começou a ficar debilitado, muita dor nas pernas, sem forças p/ levantar.Voltou ao PS, suspenderam os remédios pois disam estar mexendo com o estômago, continuou com o anti-inflamatório, as dores nunca aliviaram. Na madrugada deste domingo, não suportando as dores, pernas e braços, não conseguia falar e muito confuso, levado ao PS foi internado e permanece até o momento. Em dois dias está completamente debilitado, o rim parou de funcionar, confusão mental, não enxerga e continua com dores fortes. Os médicos dizem que ele já tinha uma degeneração rnal e que foi agravada com o excesso de anti-inflamatórios?????

    Houve negligência, erro?

    Se um paciente que chega ao PS com qualquer problema, no caso dor no ombro devido à queda, luxação, e se idntificando como diabético, visivelmente avançada e mal cuidada, não seria p/ os médicos já saberem da possível deficência renal e quais seus agravantes e conseqências?

    Preciso de uma orientação, agradeço a atenção.

    04/07/11

    Jorge Oliveira.

  • Benedita de Fátima
    06/07/2011 - 22:03

    É a primeira vez que entro nesse site, gostei muito dessa matéria é muito esclarecedora. Desenvovi a diabetes tipo 2 logo após a menopausa. Leio tudo que está relacionado a isso. Obrigada.

  • Ascensão Salteiro
    23/07/2011 - 03:26

    Gostaria de saber o que deve um doiente diabético tipo 2 com nefropatia diabetica, lou seja o meu marido tem neste momento apenas 29% do rim a funcionar. E as dietas são pouco esclarecedoras.

  • Iris
    02/10/2011 - 03:31

    sou hipertensa grave +- 18/12 diabética em 420mg/dl tenho obesidade mórbida imc 52,7 fasceite plantar com muitas dores, sou servente escolar e o perito do inss me mandou trabalhar o que eu fo=aço? porfavor me ajudem.

  • Helio D. da Silva
    29/03/2012 - 15:50

    Somente agradeço como outros que tomou ou tomarem con-hecimento deste artigo, pois é bastante esclarecedor e util!
    Obrigado!

  • Jackson
    13/04/2012 - 22:05

    E queria saber se eu que tenho pressão alta posso beber cajuina.

  • sayonara torres
    10/06/2015 - 14:04

    dr.estou com o diabetes minha glicose deu 138, a doutora endocrino me receitou GLIFAGE,GOSTARIA DE SABER SE FOI NECESSARIO ELA TER ME PASSADO UM REMÉDIO TÃO FORTE COMO ESTE,POIS FIQUEI SABENDO QUE O MESMO CAUSA PROBLEMAS NOS RINS
    OBS, ESTOU FAZENDO OS EXAMES PRÉ OPERATÓRIOS PRA CIRURGIA BARIÁTRICA,MORO EM JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Entrevistas
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.