ADOLESCÊNCIA E DIABETES

13/7/2004 - Comunidade DiabeteNet.Com.Br

Dra. Rosana Manchon

Parece haver uma concordância no que diz respeito à instabilidade do controle do diabetes na adolescência, explicada por observações muito difundidas de que os transtornos emocionais podem agravar a dificuldade do controle e do tratamento nesta fase do desenvolvimento humano.

Ocorrem flutuações, amplas e rápidas na taxa de glicose no sangue por diversos motivos, que podem adquirir proporções, ainda maiores, na adolescência - período caracterizado por conflitos relacionados a alterações biopsicossociais, ou seja, alterações corporais com o aparecimento dos caracteres sexuais secundários, nas quais o adolescente perde a identidade de criança e se vê obrigado a buscar uma nova imposta sócio-culturalmente.

A situação conflituosa do jovem começa com as mudanças corporais: alteração no timbre de voz, aparecimento de pêlos, desenvolvimento dos seios, definição do papel na procriação, concomitantemente, às mudanças psicológicas.

O adolescente sente que deve planejar sua vida, controlar as mudanças, adaptar o mundo externo às suas necessidades. Ao mesmo tempo ele sente-se ameaçado e inseguro. Sua hostilidade frente aos pais e ao mundo em geral se manifesta na sua desconfiança, na idéia de não ser compreendido, na rejeição à sua realidade e ao tratamento do diabetes.

Não apenas o adolescente que sofre com esse processo, os pais também experimentam este conflito, vivem o luto pelos filhos, luto pela perda do corpo pequeno do filho, pela sua identidade de criança e pela relação de dependência infantil.

Com a possibilidade de renovação, através de contestações e questionamentos, o adolescente arrasta as pessoas à sua volta rumo ao seu processo de libertação, atingindo aqueles que, até agora, representavam seus limites.

Sob o clima de excessivo controle ou demasiada liberdade, resultado da inadequada resolução dos próprios conflitos emocionais com os pais, insinua-se uma atmosfera de franca rivalidade.

Faz-se necessário que haja, por parte dos pais e da equipe multiprofissional que o assiste, conhecer e compreender a fase que envolve a adolescência - suas características e o quanto estão envolvidos por esta fase -, já que estar diante de um adolescente e experimentar sua adolescência os remetem à própria e, conseqüentemente, aos conflitos que não foram resolvidos naquela época.

Os pais precisam ter o conhecimento da oscilação entre a dependência e independência experimentada pelo adolescente nesse período, sendo necessária uma atitude de desprendimento em relação ao filho, concedendo-lhe uma liberdade com limites, que implica em cuidados, cautela, observação, contato afetivo permanente e diálogo, para que seja seguida gradativamente a evolução das necessidades e mudanças, tanto do adolescente quanto dos pais.

Apoio mútuo na relação pais e filhos fomenta, para ambas as partes, segurança e aceitação no que diz respeito ao diabetes e seu tratamento, além de desempenhar papel significativo no processo de independência e responsabilidade por parte do jovem na manutenção de um adequado controle do diabetes.

Na busca da identidade, o jovem recorre a alguns comportamentos e sentimentos para conseguir lidar com esta situação conflituosa: isolamento, necessidade de fantasiar, crises religiosas e políticas, mudanças rápidas de humor e busca a uniformidade. A busca pela uniformidade justifica a procura pelo convívio grupal, ao qual o jovem se vê tão inclinado.

O grupo proporciona ao adolescente segurança e estima pessoal. Há um processo de superidentificação, já que o jovem pode transferir para o grupo parte da dependência que na infância era mantida com a estrutura familiar.

A participação do adolescente portador de diabetes em grupos educativos, ou de convivência, será de fundamental importância para a aceitação do diabetes. Além da aquisição de conhecimentos teóricos e práticos acerca do diabetes e seu tratamento, o grupo propicia a troca de experiências individuais entre os membros que vão internalizando diferentes formas de pensar e sentir.  

O jovem começa a adquirir capacidade para assumir novos papéis e abandona outros que eram inadequados. Passa a ter consciência da própria identidade num nível real, o que significa aceitar e adaptar-se gradativamente ao diabetes e ao mundo adulto.
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • Heloisa Mesquita
    20/7/2009 - 06:38

    tenho um filho de 14 anos com diabetes tipo 1, esta sendo muito dificil essa fase,gostaria de receber mais informacoes sobre o diabetes na adolescencia,obrigada.

  • Daniela
    5/9/2009 - 18:51

    tenho um filho de 15 anos e el anda com o diabetes bastante descontrolada.Às vezes acho que é um pouco de descaso da parte dele mas em outros vejo que ele faz tudo certo e organismo parece que não reage. Já me falaram sobre os hormonios do crescimento que são responsável por estes descontroles. Gostaria de maiores informações.
    Obrigada

  • ana paula
    14/10/2009 - 14:59

    tenho 13 anos nao tenho diabetes fiz um trabalho sobre isso e achei muito interesante.

  • karyna
    20/10/2009 - 16:38

    eu tenho 13 anos e não tenho diabetes mas eu acho que deve ser muito dificil fiz um trabalho sobre isso e achei miuto enteressante.

  • Fernanda
    2/11/2009 - 19:35

    tenho 13 anos, gostei muito da matéria, tive que fazer um texto de divulgação científica sobre isso. com essa ajuda ficou bem mais fácil. adorei :D

  • adriana
    6/11/2009 - 12:09

    tenho uma filha de 12 anos ,q acabei de descobrir q ela tem diabete do tipo 1 gotaria de imformações, pois estou perdida sem saber o q fazer.

  • aline vitta moraes
    13/11/2009 - 10:16

    a minha mae tem diabetes e eu acho que eu estou pra ter!!!tenho 34 kg e 1,37 de altura!!!mas o meu colesterol esta muito alto!!!

  • aline vitta moraes
    13/11/2009 - 10:19

    eu adorei essa materia ,mas acho q deveria ter informaçoes mais concretas!me entende?!

  • aline vitta moraes
    13/11/2009 - 10:25

    a minha mae tem diabetes e eu acho que eu estou pra ter!!!tenho 34 kg e 1,37 de altura!!!mas o meu colesterol esta muito alto!!!essa pesquisa naum ajudou em absolutamente nnnnnnnnnnnnnnnnnaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadddddddddddddddddddddaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!

  • samara
    18/11/2009 - 10:57

    vcs são podyz cara quem quer saber de mudanças corporais, queremos saber tudo x tudo sobre diabetes na adolescencia

  • lorena
    26/11/2009 - 07:46

    que cocô ,nao sabem escrever nao suas antas

  • lara
    26/11/2009 - 07:47

    essa mensagem de cima fui eu

  • lane
    18/1/2010 - 21:52

    minha filha de 13 anos, esta com taxa de 100. Ela está diabetica? ou só é alteração hormonal?

  • mari
    15/3/2010 - 11:28

    Tenho um filho com 15 anos e está com taxa de glico de 100, ele já é considerado diabetico?
    Gostaria de receber mis informações.

  • Aline .
    20/7/2010 - 14:53

    Gente , é qe tem um comentário , e o nome é o meu , mas , é a primeira vez qe eu entro aki nessse site . oks ? Espero qe tenha como apagar , pois alguém clonou os meus dados . E eu achei a matéria fantástica !

  • ro
    7/10/2010 - 19:41

    devia ter mais coisas sobre o assunto. nao ajudah em nada isso.

  • felipe
    5/2/2011 - 12:06

    O assunto é intressante,abrange to a cadei adolecente mas o problema desse conteudo é q é muito superficial se colocasse algo mas detalhado isso iria fazer q os adolecentes se ligasse mas nesses assuntos relacionado a diabetes

  • Erison
    13/8/2011 - 00:19

    Tenho 22 anos e aos 17 descobri que tinha diabetes, foi bem desconfortavel no começo e ainda é, mas já aprendi a lidar com isso. Graças a Deus nunca tive nenhum problema, tanto fisico quanto emocional. Concordo com o Felipe aí em cima, acho que essa materia poderia ser mais aprofundada e mais adequada para jovens! #Fica a dica. :)

  • utima cristovao
    10/11/2011 - 19:26

    ola eu tenho14 anos,sou forte e gostaria de saber se corro o risco de apanhar a diabete

  • kalleman
    21/2/2012 - 04:20

    tenho uma irma de 20 anos que tem diabetes e sofre muito com isso pois vive alta a diabetes e ela vive si internando pois esta descompensada a diabete....estamos sofrendo muito pois minha irma cuida mas a diabete nao abaixa...eu gostaria de saber onde achar grupos educativos de convivio com diabeticos em cuiaba mt!

  • Beatriz Dornellas
    10/4/2012 - 14:10

    Minha escola também pediu um trabalho de divulgação cientifica achei íper interessante trabalhar em cima do assunto esse texto além de fornecer muitas informações ficou fácil o assunto.Beijos e Obrigada #& (:

  • José
    15/4/2012 - 15:52

    Tbm Fiz E Bem Legal Mesmo Aprendi Como Não comtrir Essa Doença Q pode Ser Ereditaria

  • Juliana
    6/7/2014 - 11:25

    Tenho um filho de12anos diabético com todas as mudanças da adolescência,e o total descontrole do diabetes,gostaria de receber orientações sobre a melhor conduta

  • Juliana
    6/7/2014 - 11:25

    Tenho um filho de12anos diabético com todas as mudanças da adolescência,e o total descontrole do diabetes,gostaria de receber orientações sobre a melhor conduta

Cadastre seu comentário!

312 Usuários On-Line




Surgyplast


Novos Associados

Bem-vindos:

  • João - SP
  • Nino - RJ
  • Luciane - RJ
  • Bianca - SP
  • Luciana - SP
  • Ademir - SP
Acompanhamento Psicológico
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Julho - 2014
D S T Q Q S S
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031