Sopro no Corpo: Vive-se de Sonhos - Diabetes, Vida e Comunidade

Sopro no Corpo: Vive-se de Sonhos

01/11/2005 - Bengala Legal

Sopro no Corpo: Vive-se de Sonhos

Diabético aos 3 anos, cego aos 21, em conseqüência de retinopatia diabética (terceira causa de cegueira no mundo), perdi também as funções renais aos 39, por nefropatia diabética.
 
Depois de cego, estudei na PUC-Rio (História) e também fiz um curso de programador de computadores, graças ao qual pude trabalhar no SERPRO, filial Rio de Janeiro, onde me aposentei em conseqüência de dois transplantes:

um de pâncreas e outro de rim.
 
O transplante de rim foi muito especial para mim. Além de sanar minha deficiência renal, que me obrigava a fazer tratamento de hemodiálise, o transplante só foi
possível graças à generosidade incomum de uma colega de trabalho, também cega, que me doou seu rim. Era a segunda vez que me surpreendia com a generosidade de algumas pessoas, pois, antes, um outro amigo, também cego, já havia me oferecido seu rim, porém o exame final acabou detectando sua incompatibilidade genética comigo.
 
Em 1986 editei um livro, Sopro no Corpo, no qual narrava minha história até 1985: como fiquei cego, como aprendi a utilizar a bengala e a perder o medo e a vergonha
de ser uma pessoa deficiente e ir à luta, como me reabilitei e consegui trabalho, aprendendo o Braille e programação de computadores. Conto também do meu trabalho
em um centro de ajuda e reabilitação de alcoólatras e toxicômanos, como conselheiro em álcool e drogas, dando palestras e coordenando grupos de auto-ajuda e aconselhamentos pessoais. Na época, o livro ficou em terceiro lugar entre os mais vendidos na área de não ficção, segundo o Jornal do Brasil e O Globo.
 
Relanço agora minha obra, desta vez com o título Sopro no Corpo; Vive-se de Sonhos, pela RiMa Editora, em que a primeira parte é uma reedição e a segunda, inédita, conta tudo o que me aconteceu de 1985 até hoje. Além dos dois transplantes, narro o nascimento do meu filho e mostro como a vida dos cegos mudou com a Internet. Eu, por exemplo, com minha experiência de programador, desenvolvi sozinho e com recursos próprios minha página, a "Bengala Legal", www.bengalalegal.com.
 
Gostaria muito de contar a outras pessoas minhas experiências. Quem sabe isso possa ajudar algumas delas a perceberem alguma saída mesmo diante de barreiras, muitas vezes mais emocionais do que reais. Sempre tento mostrar que a cegueira não é culpada da maioria dos limites que a acompanham, mas, sim, a maneira como o cego é educado, com conceitos algumas vezes distorcidos. Penso que devemos batalhar em cima da diferença, não da igualdade. Só estaremos bem quando essas diferenças, sejam elas quais forem, tornarem-se socialmente dignas, respeitadas e produtivas.
 
Se quiserem mais informações a meu respeito, meu telefone é (21) 2538-9508,

e-mail: maq@globo.com

Se quiserem mais informações a respeito do livro, é só clicar em:
www.bengalalegal.com/sopro.php
 
Abraços agradecidos do MAQ - Marco Antonio de Queiroz.
***
Bengala Legal - Cegos e Família: www.bengalalegal.com
***
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • Nathalia dos Santos
    20/08/2012 - 14:07

    Esse texto e pecimo orrivel não gostei e orrivel

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Biblioteca
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.