Brasileiro não se dá conta do mal chamado colesterol - Diabetes, Vida e Comunidade

Brasileiro não se dá conta do mal chamado colesterol

22/11/2005 - Estadão.com.br


Por Vítor Cavalcanti, especial para a Agência Estado

Falta de informação e de compreensão estão entre os motivos pelos quais os brasileiros não dão importância ao nível de colesterol. As falhas na educação aparecem como uma das questões chaves para esse cenário. O desconhecimento, que não está restrito aos brasileiros (atinge cidadãos da Europa, Ásia e América Latina), foi comprovado pela pesquisa "From The Heart" (Do Coração). A elevada taxa de colesterol é um dos principais fatores desencadeantes de doenças cardíacas.

O estudo, divulgado na última semana de outubro, simultaneamente na França e na Costa Rica, mostra que, no Brasil, 64% das pessoas diagnosticadas com colesterol alto não sabem que as doenças cardiovasculares (DCV) são as que mais matam no mundo. Nesse grupo, 37% das pessoas acreditam que o câncer mata mais que as doenças do sistema cardíaco.

Números da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que a DCV causa 17 milhões de mortes por ano em todo o mundo; no Brasil, a estimativa é de cerca de 300 mil. A pesquisa, feita pelo professor britânico Richard Hobbs, da Universidade de Birmingham e o sueco Leif Erhardt, da Universidade de Malmö, envolveu 1.547 pacientes e 700 médicos de 10 países (Bélgica, Brasil, Dinamarca, Finlândia, França, México, Portugal, Cingapura, Coréia do Sul e Reino Unido), com o patrocínio do laboratório AstraZeneca. "O câncer está associado a uma morte dolorosa e lenta, enquanto que a DCV está relacionada a eventos repentinos" esclarece Erhardt.

O diretor executivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Raimundo Marques, autor de "Atlas do Coração" (estudo epidemiológico inédito no País sobre fatores de risco de doenças do coração), foi convidado para fazer um comparativo entre a pesquisa brasileira e a "From the Heart". Para ele, os números impressionam e mostram que há uma similaridade entre a falta de informação vista no Brasil e em outros países da América Latina.

Marques lembra que no levantamento nacional foi apontado que 70% dos brasileiros não souberam definir um conceito claro sobre o que é colesterol. "No Brasil, além da falta de aquisição à saúde, tem o problema da educação. 60% dos alfabetizados são analfabetos funcionais e não conseguem compreender o que lêem", afirma.

Um outro dado do "Atlas do Coração" que chama a atenção é o fato de que, mesmo entre os que souberam dar uma definição, 60% nunca fizeram um exame para medir o nível de colesterol. "O grupo exposto ao risco é muito grande. Não adianta saber, tem de fazer a medição", analisa Marques.

Os brasileiros foram a maior amostragem do estudo "From the Heart" - 200 pacientes e 100 médicos, junto com mexicanos, britânicos e franceses. Entre os participantes do Brasil, a cada 10, oito não imaginavam que o colesterol alto poderia causar ataque cardíaco. 68% deles não souberam especificar o nível de colesterol saudável em seu caso. "As pessoas não se preocupam com o colesterol e com outros fatores de risco porque não enxergam efetivamente o dano", nota Erhardt.

Tratamento fácil

Mudança de hábitos é o pontapé inicial para tratar o colesterol elevado. Medicamentos só são indicados em casos mais problemáticos, como pacientes com diabete ou quando existem outros fatores de risco associados. "No geral, recomendamos uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos", informa Marques.

Carnes gordas, ovos e derivados do leite se tornam inimigos de quem tem o nível de gordura no sangue acima do recomendado. Entre os vegetais, o coco fica proibido, pela alta concentração de gordura.

Os médicos também orientam sobre embutidos e frutos do mar. Essas pessoas terão que substituir toda essa alimentação por frutas, legumes e verduras. Alimentos ricos em fibras são recomendados. "De fato, o colesterol elevado é o principal fator de risco para as doenças cardiovasculares, no entanto, é o mais fácil de ser tratado", afirma Richard Hobbes.

Projeções assustadoras

É preocupante a projeção que a OMS faz para o Brasil para o período 2030/2040. A organização estima que até lá, haverá um salto de 250% nas mortes por doenças cardiovasculares no País. Especialistas têm insistido que se trata de uma doença da urbanização. A população rural diminuiu bastante nas últimas décadas, com isso as pessoas passaram a conviver com novas realidades que envolvem alimentação inadequada, estresse e falta de atividade física.

Na visão de diversos médicos, o Brasil não estará preparado para atender a esta demanda se as previsões se confirmarem. "A atual estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) é voltada para o atendimento emergencial, como enfarte e ponte de safena" lembra Marques. Para que o País não sofra um surto no futuro, completa o especialista, seria necessário a implantação da medicina preventiva, a exemplo do que fazem os norte-americanos.

É normal encontrar pessoas que já mediram o colesterol, têm fatores de risco associados e não tratam porque, naquele momento os sintomas são inexistentes. Para se ter idéia do problema, cerca de 60% dos hipertensos e 50% dos que possuem diabete não tomam medicamentos; estas pessoas estão vulneráveis a sofrer de DCV.

Alertas

O colesterol elevado não apresenta sintomas, daí a importância de se conhecer seu nível. As sociedades de Cardiologia Norte-americana e Brasileira recomendam que todas as pessoas a partir dos 20 anos façam a medição do perfil lipídico, ao menos uma vez a cada cinco anos. Como dificilmente isso é feito, médicos recomendam que homens, a partir dos 30 anos, e mulheres, que entraram na menopausa, façam a medição. Se o paciente apresentar dois fatores de risco, o exame se torna obrigatório.

Formam o chamado grupo de risco pessoas com histórico familiar ou pessoal de doenças cardiovasculares, colesterol alto, pressão alta, diabete tipo 2 e obesidade. Fumantes, sedentários, e pessoas que abusam das bebidas alcoólicas e de comidas gordurosas também estão na lista. Um paciente com diabete e colesterol alto, tem 10 vezes mais chances de sofrer de DCV.

O que é colesterol?

O colesterol é algo similar à gordura presente no sangue e pode ser fabricado no fígado ou originado pelos vários alimentos consumidos. Ele aparece em dois tipos: o bom, HDL; e o ruim, LDL. O nível elevado do LDL pode se acumular nas artérias causando, entre outras coisas, ataque cardíaco, derrame e enfarte. Já o colesterol HDL auxilia na produção de células e hormônios e não se acumula nas artérias.

Quanto mais alto for o nível do HDL, menor será o risco de a pessoa sofrer com problemas do coração. A atividade física regular é uma das maneiras de manter o nível do colesterol bom elevado.

Nível de colesterol total recomendado pelas sociedades de cardiologia:

- Desejável: menor que 200 mg/DL

- Limite: entre 200 e 239 mg/DL

- Elevado: superior ou igual a 240 mg/DL

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • rafael
    10/06/2009 - 14:24


    parabéns pelo conteúdo que obtém nessa pagina
    era o que eu casava para minha pesquisa
    e muito importante mostra estes índice
    parabéns e obrigado

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.