Pesquisa do Ministério da Saúde Mostra Dados Preocupantes - Diabetes, Vida e Comunidade

Pesquisa do Ministério da Saúde Mostra Dados Preocupantes

15/03/2007 - Sociedade Brasileira de Diabetes - SBD


Estudo realizado pelo Ministério da Saúde revela dados alarmantes sobre fatores ligados a doenças crônicas e mortes precoces, o excesso de peso, o sedentarismo e a hipertensão arterial. Constatou-se que 43% dos adultos de todas as capitais brasileiras estão acima do peso, sendo que 11% tem obesidade; a porcentagem de sedentarismo variou de 21%, em Boa Vista (RO), a 35% em Natal (RN). Em Recife (PE), 24% dos adultos têm hipertensão.  

O objetivo do estudo é detectar os fatores que favorecem o surgimento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares, para permitir o planejamento de políticas públicas. A pesquisa foi realizada pelo Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (VIGITEL).

Realizado em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal (DF), em 2006, o estudo foi implantado pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, em parceria com a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (SGP) e o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (NUPENS) da USP. A metodologia utilizada foi a de entrevistas telefônicas. Foram feitas 54 mil entrevistas com a população adulta que possui telefone fixo em suas residências.

Os entrevistados, com idade acima de 18 anos, deram informações sobre diabetes, atividades físicas, consumo de cigarro e bebidas, alimentação e hipertensão arterial. Este foi o primeiro levantamento de vigilância de fatores de risco à saúde do governo federal.

Diabetes e Hipertensão

O relatório da VIGITEL esclarece que os indicadores relativos à ocorrência de diabetes e hipertensão arterial tendem a subestimar a freqüência da hipertensão e do diabetes na população porque não incluem os casos não diagnosticados. Os indicadores em questão são: a freqüência de indivíduos que referem diagnóstico médico prévio de diabetes e a dos que referem o diagnóstico médico prévio de hipertensão arterial.

São Paulo lidera o ranking com 6,2% da população adulta com diabetes. O menor índice foi registrado em Palmas (TO), 2,7%. O maior número de homens com diabetes estão nas seguintes cidades: Vitória, ES, (5,6%); São Luís, MA, (5,5%); e Belém PA, (5,1%). Entre as mulheres, novamente São Paulo lidera (7,3%,), na seqüência aparecem Rio de Janeiro, RJ, (6,9%) e Porto Alegre, RS, (6,3%).

Já os índices de hipertensão arterial variaram de 15%, em Palmas, a 24%, em Recife. A porcentagem entre os homens foi de 22,5% em Recife, 22,7%, em Belo Horizonte, MG, e 23,1%, em Vitória. As maiores freqüências entre as mulheres foram de 26,8%, em Recife; 27,3%, em Salvador, e 28%, no Rio de Janeiro. De acordo com o levantamento, as mulheres (24,4%) são mais afetadas pela hipertensão do que os homens (18,4%).

Em reportagem publicada pelo Jornal Folha de São Paulo, o Ministério da Saúde e o NUPENS/USP colocam que o levantamento mostra dados aproximadamente corretos para os casos de hipertensão nas capitais, mas pode estar subestimado para diabetes, cuja prevalência deve ser mais próxima de 8% para a amostra. O presidente da SBD, Marcos Tambascia, declarou à Folha que o último estudo epidemiológico sobre diabetes constatou que 7,6% dos brasileiros tinham a doença, número superior ao divulgado pela VIGITEL.  Ele disse também que a VIGITEL ignorou as pessoas que desconhecem ter a doença.

Observa-se que o estudo tem limitações porque os dados apresentados foram estatisticamente ajustados para representar o perfil sociodemográfico real da população.

Acima do Peso

O parâmetro utilizado pela VIGITEL para obter os dados sobre obesidade e sobrepeso foi o peso e a altura, informados para calcular o IMC (Índice de Massa Corporal). O que significa o IMC? É o peso (em quilogramas) dividido pela altura (em metros) ao quadrado. As pessoas com IMC igual ou superior a 25 estão com peso excessivo; os que tem 30 ou mais estão obesos.

O Rio de Janeiro, um dos principais cartões-postais do país, é a capital com o maior número de pessoas com excesso de peso (48,3%); a menor porcentagem está em São Luís (34,1%). O excesso de peso tendeu a ser mais freqüente nos homens do que nas mulheres, exceto nas cidade de Recife, Rio Branco, Salvador, e São Paulo, onde foi semelhante nos dois sexos. As cariocas foram as que apresentaram o maior excesso de peso (44,4%). Entre os homens são os gaúchos que estão à frente (54,2%).

A VIGITEL e a Metodologia

O Dr. Carlos Monteiro, professor e pesquisador da Escola de Saúde Púbica da Universidade de São Paulo (USP), um dos responsáveis pela pesquisa falou para à reportagem do site da SBD,  sobre o trabalho realizado pela VIGITEL e a forma como os dados foram obtidos.

Site da SBD: Os dados divulgados pela VIGITEL devem ser usados como referência pelos profissionais de saúde?

Dr. Carlos Monteiro: O sistema VIGITEL é um sistema de monitoramento de fatores de risco para doenças crônicas por meio de inquérito telefônico. O que a imprensa divulgou foi um primeiro relatório do sistema, que divulga estimativas sobre a freqüência e distribuição de fatores de risco, selecionados para as capitais dos 26 estados brasileiros e para o Distrito Federal.

As estimativas do sistema, embora estejam baseadas em inquérito realizado em amostra probabilística de adultos que residem em domicílios com telefone, são ajustadas para a composição sociodemográfica de cada cidade, no último censo demográfico. Os usuários principais dos resultados do sistema são as autoridades sanitárias responsáveis pela prevenção e controle das doenças crônicas no país e em cada uma das cidades estudadas. Certamente, os profissionais de saúde, interessados na prevenção e controle de doenças crônicas, encontrarão informações interessantes neste primeiro relatório do sistema e, seguramente, nos futuros, quando séries históricas dos indicadores forem disponíveis.
 
Site da SBD: A pesquisa pode ser útil para a população?

Dr. Carlos Monteiro: Receio que o conteúdo do relatório seja muito técnico para a população em geral. Acredito que os especialistas em comunicação em saúde poderão aproveitar o conteúdo do relatório para produzir materiais informativos.
 
Site da SBD: Os dados surpreenderam a comunidade médica?

Dr. Carlos Monteiro: Alguns dados confirmam estimativas já existentes, como, por exemplo, a alta prevalência de excesso de peso em homens e mulheres (mais de 40%). Outros dados trouxeram informações que não eram conhecidas, tais como: a elevada freqüência de completa inatividade física - cerca de 30% dos adultos das 27 cidades estudadas têm ocupações não associadas a esforços físicos, não se deslocam para o trabalho caminhando ou de bicicleta, não são responsáveis pela limpeza “pesada” de suas casas e não fizeram nenhum tipo de exercício físico no lazer nos últimos três meses, incluindo simples caminhadas.
 
Site da SBD:  A Folha de São Paulo questionou a metodologia utilizada no estudo, como vê esta questão?
 
Dr. Carlos Monteiro: O questionamento sobre a amostra baseada em linhas telefônicas não se sustenta, uma vez que as estimativas já levam em conta esse fato. O questionamento sobre a subestimação da prevalência de hipertensão arterial e diabetes tampouco faz sentido.

O sistema não pretende fornecer estimativas da prevalência dessas doenças, mas apenas a freqüência de indivíduos em cada cidade que referem diagnóstico médico das mesmas. Estas freqüências indicam a demanda por assistência à saúde relativa às doenças em cada cidade. Em algumas cidades, e em algumas faixas da população, de maior nível socioeconômico, as estimativas poderão se aproximar da real prevalência das doenças. Isto de fato parece ocorrer. Mas, este não é o objetivo do sistema.

Site da SBD: Quais providências as autoridades públicas devem tomar?

Dr. Carlos Monteiro: Identificar prioridades para políticas públicas e adotar os resultados como linha de base para avaliação de intervenções.
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.