Autotransplante ajuda a tratar diabete, mostra estudo da USP - Diabetes, Vida e Comunidade

Autotransplante ajuda a tratar diabete, mostra estudo da USP

11/04/2007 - Reuters


 

Por Maggie Fox

WASHINGTON (Reuters) - Células-tronco retiradas de pacientes de diabete foram capazes de "reiniciar" os sistemas imunológicos deles, permitindo que 14 entre os 15 observados passassem meses e até anos sem precisar de insulina, mostrou um estudo de pesquisadores norte-americanos e da Universidade de São Paulo publicado na edição de terça-feira do Journal of the American Medical Association (Jama).

Os pesquisadores não afirmam ter curado os pacientes, mas dizem que o experimento mostra ser possível ao menos interromper a resposta imune equivocada que destrói as células produtoras de insulina na diabete tipo 1.

"Isso vai gerar polêmica, interesse e entusiasmo," disse numa entrevista por telefone Richard Burt, da Universidade do Noroeste de Chicago.

A diabete tipo 1, também chamada de diabete juvenil, é muitas vezes observada em crianças, e tem causas diferentes da diabete tipo 2, associada à obesidade e ao sedentarismo. A diabete tipo 1 é uma doença auto-imune, causada pela destruição inadvertida das chamadas células ilhotas, do pâncreas, que produzem a insulina. Os pacientes quase sempre têm de tomar insulina diariamente para controlar os níveis de açúcar no sangue.

A equipe de Burt trabalhou com 15 adultos recém-diagnosticados com a diabete do tipo 1. Ele e o dr Julio Voltarelli, da USP, destruíram, com remédios, a medula óssea dos pacientes, zerando seus sistemas imunológicos, segundo descreveram no Jama.

"Não usamos aqueles regimes intensivos que se usa no câncer. É muito menos violento para o corpo -- bem mais tolerável", disse Burt.

Eles filtraram células-tronco adultas do sangue dos pacientes. Essas células, chamadas células-tronco hematopoiéticas, dão origem aos glóbulos brancos do sistema imunológico.

Burt disse que a equipe não fez nada de especial para encontrar tipos específicos de células-tronco. Apenas injetou em cada paciente uma mistura de suas próprias células-tronco, depois de o sistema imunológico ter sido zerado. O método é denominado transplante autólogo não-mieloablativo de células-tronco hematopoiéticas.

O experimento fracassou no primeiro paciente. "Usamos esteróides", disse Burt. Nos 14 seguintes, os esteróides não foram usados.

"Noventa e três por cento dos pacientes obtiveram períodos diferentes de independência da insulina e a toxicidade do tratamento foi baixa, sem mortalidade", escreveram os autores.

Os cientistas acreditam que o tratamento tenha "reiniciado" o sistema imunológico, pelo menos temporariamente, mas não têm provas concretas disso, apenas a indicação dos resultados clínicos.

Um dos pacientes ficou sem insulina por quase três anos, quatro por dois anos e outros por vários meses.

A pesquisa foi financiada pela USP, pelo Ministério da Saúde, pela Fapesp e pelo CNPq, entre outros.

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Veja mais Noticias:

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.