Gordura abdominal - Diabetes, Vida e Comunidade

Gordura abdominal

25/01/2008 - Gazeta de Piracicaba


A balança e o Índice de Massa Corporal (IMC) já não são mais considerados as principais armas para identificar se uma pessoa está ou não acima do peso. Aos poucos, esses dois indicadores estão cedendo lugar à fita métrica, que tem como objetivo determinar o perímetro da cintura de homens e mulheres e avaliar a quantidade de gordura presente no abdômen.

A gordura abdominal tem chamado atenção dos médicos e especialistas em obesidade, porque ela aumenta significativamente a chance de uma pessoa desenvolver diversos males, como o infarto, por exemplo. Diferente da gordura amarelada que existe sob a pele, a gordura abdominal é chamada de gordura marrom porque tem muitos vasos sangüíneos. Essa gordura provoca resistência à insulina, hormônio responsável pelo metabolismo da glicose, isto é, pela entrada do açúcar na célula. A resistência à insulina está associada a vários problemas, como aumento de trombos e lesão na parede dos vasos sangüíneos.

Estudos mostram que muitos casos de morte prematura estão relacionados ao acúmulo de gordura na cintura. O aumento deste tipo de gordura pode levar a coronariopatia, hipertensão, diabetes leve do tipo II e níveis mais altos de ácido úrico, geralmente sem incidência de gota. Todos esses males são características do que chamamos de "síndrome plurimetabólica".

Estudo Internacional aprova novo indicador

Um estudo publicado na revista "Circulation" e divulgado nesta semana, concluiu que a gordura acumulada na cintura é um indicador clínico tão importante como o Índice de Massa Corporal (IMC), pressão arterial, glicemia e perfil lipídico, pois é capaz de identificar as pessoas que correm maior risco de sofrer doenças cardiovasculares e diabetes.

A pesquisa, a primeira deste tipo em escala internacional, avaliou a freqüência da obesidade abdominal em 170 mil pessoas de 63 países diferentes dos cinco continentes. Os médicos que conduziram o estudo concluíram que um perímetro grande de cintura está estreitamente relacionado com o risco de sofrer doenças cardiovasculares e diabetes, independentemente de outros indicadores clínicos, como o peso e a idade do paciente.

Diante desse achado, os autores do estudo recomendam que este parâmetro apareça na história clínica dos pacientes por ser uma medida prática da obesidade abdominal e um bom indicador da adiposidade intra-abdominal. Contudo, a maioria das pessoas e até mesmo alguns médicos, não sabe que o aumento da medida da circunferência da cintura é um importante fator de risco para doenças crônicas.

Em julho, uma pesquisa realizada pela Shape of the Nations - com o apoio da Federação Mundial de Cardiologia (World Heart Federation - WHF) avaliou o grau de conhecimento de médicos e pacientes sobre a relação entre obesidade abdominal e problemas cardiovasculares. Mais de 16 mil pessoas de 27 países, inclusive o Brasil, participaram da pesquisa. O estudo revelou que a maioria da população parece estar mais focada no peso do que no excesso de gordura abdominal: no Brasil, 66% dos entrevistados revelaram controlar seu peso por meio de balança, comparados aos 6% que calculam seu IMC e a 1% que mede a circunferência abdominal.

A pesquisa também mostrou que a gordura abdominal é reconhecida por 58% dos médicos como fator de risco significativo para doença cardíaca. No entanto, 45% reportaram nunca ter medido circunferência da cintura de seus pacientes e 59% dos pacientes sob risco de doença cardíaca disseram que nunca foram informados por seus médicos sobre a relação entre gordura abdominal e aumento no risco de desenvolver doenças cardíacas.

Aprenda a medir a cintura e avalie o seu risco

Um levantamento feito pelo Projeto Corações do Brasil, coordenado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, com uma população de 1.239 pessoas, acima de18 anos, constatou que apenas 30% das mulheres e 55% dos homens estavam dentro dos parâmetros recomendados pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) para circunferência abdominal.

Para saber se você se encaixa dentro dos parâmetros internacionais recomendados, verifique com o auxílio de uma fita métrica a circunferência de sua cintura na altura do umbigo. Procure não apertar a fita, relaxe o abdômen e expire no momento de medir.

Dicas para o controle da gordura abdominal

Exercícios físicos e dietas equilibradas são considerados terapia de primeira escolha, podendo levar a uma redução expressiva da circunferência abdominal. Se você seguir os conselhos que daremos a seguir, em pouco tempo você perceberá os resultados.

1.Diga adeus ao sedentarismo: exercícios aeróbicos como caminhadas, natação, corrida, bicicleta etc ajudam no controle da gordura abdominal. Recomenda-se no mínimo 30 minutos diários desse tipo de atividade todos os dias. Essa prática é fundamental para quem deseja, por exemplo, eliminar a famosa "barriguinha de chope";

2.Faça no mínimo 4 a 5 refeições diárias em horários fixos e com moderação; quanto mais fracionada a dieta, menor o número de calorias absorvidas. O tempo entre uma refeição e outra não deve ser menor que 2 horas nem maior do que quatro horas;

3.Coma devagar e mastigue bem os alimentos;

4.Aumente o consumo de frutas, verduras e grãos integrais, ricos em fibras;

5.Reduza o consumo de alimentos gordurosos, salgados e doces;

6.Modere o consumo de bebidas alcoólicas e abuse do consumo de água, pelo menos 8-10 copos por dia.

Pílula anti-barriga - novidade da medicina

O rimonabanto - novo remédio aprovado pela Anvisa e que chegou recentemente ao Brasil, é uma nova arma dos especialistas para ajudar a reduzir a gordura abdominal. A droga age no sistema nervoso central, mais especificamente no hipotálamo, bloqueando a ação do sistema endocanabinóide (receptor que age em diversas partes do organismo, em especial no sistema nervoso central, e que regula o apetite). Com isso, ele diminui a circunferência abdominal, reduz os índices de triglicérides, promove uma melhora nas taxas de açúcar no sangue, auxiliando no controle do diabetes, além de aumentar o bom colesterol (HDL).

Contudo, como toda droga, existem os efeitos colaterais: náuseas e tontura são alguns deles. Além disso, a substância não deve ser utilizada sem acompanhamento médico, porque pode causar depressão e ansiedade no usuário. Esse problema é tão sério, que fez com que muitos médicos de outros países passassem a prescrever a droga com muita cautela. Atualmente ela é contra-indicada para pacientes em estados depressivos, com doenças psiquiátricas e síndrome do pânico, pois agrava ainda mais o problema.

De acordo com os especialistas, as pessoas com melhor perfil para a indicação do rimonabanto são pacientes obesos e com fatores de risco para doença cardiovascular como, por exemplo, aumento de colesterol, aumento de pressão arterial e da glicose. Para quem está acima do peso e não se encaixa nesse perfil, a mudança de estilo de vida continua sendo uma receita infalível e sem contra-indicação.

Para saber mais sobre esse assunto, acesse o meu site www.jocelemsalgado.com.br e conheça o campo "emagrecimento".

Jocelem Mastrodi Salgado é profa. Titular de Nutrição - Esalq/USP, presidente da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • osmaryna santos
    01/04/2012 - 05:58

    adorei esse texto,pois foi muito explicativo.

  • jose assad
    10/07/2012 - 16:40

    Ola Jocelem, legal sua informação sobre circunferencia abdominal. Sou pessoa ativa, mas conservo uma certa barriguinha em torno de 107 de circunferencia. Me alimento com qualidade, sem frituras, e gorduras em geral. Faço refeições intercaladas, o que proporciona saciedade, evitando o comer muito. Não nego que aos fins de semana, costumo tomar minha cervejinha, sem exagero. Bem, o meu peso gira em torno de 85 a 87 kilos, dependendo do meu comportamento, mas eu sou uma pessoa de musculos magros, razão pela qual eu fico preocupado com essa famigerada barriguinha. Gordura localizada como eu tenho que chama-la, como elimina-la e qual a medida satisfatoria que eu tenho que manter em torno do meu abdomem.
    Tenho 64 anos, mas como eu disse, sou muito ativo, faço muita aerobica e musculaçao ok.
    Me de uma dica.
    Obrigado
    Jose.

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.