Diabetes Gestacional aumenta risco de aborto e de parto prematuro - Diabetes, Vida e Comunidade

Diabetes Gestacional aumenta risco de aborto e de parto prematuro

31/08/2008 - SEGS


Considerada problema de saúde pública, a doença afeta de 4% a 8% das mulheres grávidas, em geral durante o segundo trimestre da gestação

Mulheres que não têm histórico de diabetes na família também podem desenvolver a doença durante a gravidez. O diabetes gestacional afeta de 4% a 8% das mulheres grávidas, em geral durante o segundo trimestre da gestação. No Brasil, estima-se que cerca de 90 mil grávidas desenvolvem a doença. Stress, alimentação inadequada, falta de atividade física, fumo e idade da mãe são os principais fatores responsáveis pelo diabetes gestacional.

De acordo com o diretor científico da Associação dos Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig), o obstetra Frederico Péret, a doença tende a regredir espontaneamente, mas mesmo assim, requer cuidados, já que pode afetar a saúde da mulher e do bebê, podendo até causar a morte fetal ou neonatal. Ele ainda acrescenta que o problema também pode repercutir na infância e adolescência, com risco de obesidade e diabetes no futuro da criança. O assunto será discutido durante o 33º Congresso Mineiro de Ginecologia e Obstetrícia, promovido pela (SOGIMIG), de 3 a 5 de setembro, em Juiz de Fora.

O diabetes gestacional apresenta poucos sintomas e sinais. Por isso, são recomendados a realização de exames e o acompanhamento entre a 24ª e a 28ª semana de gravidez. As grávidas que possuem características de risco devem fazer o teste de tolerância à glicose logo na primeira visita do pré-natal. Em casos confirmados, a grávida precisa ser incluída no grupo de alto risco. Os principais sintomas são sede, urina em excesso, inchaço, vômitos incontroláveis, visão turva, fadiga crônica e infecções na bexiga ou na vagina. Outros riscos são a de ocorrência de pré-eclampsia - um quadro de pressão arterial elevada -, albumina na urina e alterações em outros órgãos, como o fígado.

Segundo Péret, quando está no útero materno, a criança vive em regime de alta glicemia. O excesso do açúcar no sangue da mãe faz com que ela e o bebê fiquem acima do peso ideal, o que pode causar problemas para ambos na hora do parto ou até aborto espontâneo. Por isso, em muitos casos, a criança precisa ser retirada prematuramente.

Após o nascimento, o recém-nascido de mãe com diabetes gestacional precisa de cuidadosa avaliação no berçário. Existem ocorrências em que o bebê apresenta icterícia (aspecto com pele amarelada) por imaturidade das funções do fígado. Ele pode, também, apresentar problemas respiratórios e, muito freqüentemente, hipoglicemia - quando o nível de glicose fica muito baixo no sangue. A explicação é que o feto passa a produzir muita insulina, devido à grande quantidade de glicose durante a gestação. Logo após o parto, o excesso de insulina perdura e surge a queda de glicose logo após o nascimento. Além disso, existe uma chance maior dessas crianças serem obesas e desenvolverem diabetes.

Para prevenir e controlar a doença, o ideal é manter atividades físicas regulares que ajudam o sistema imunológico, alimentação saudável evitando doces, gorduras e excesso de carboidratos, controlar o humor e fazer exames periódicos. "A abordagem da doença deve ser multidisciplinar e humanizada, com dedicação do obstetra, endocrinologista, psicólogo, enfermeira, bioquímico e nutricionista", recomenda.[14]

O 33º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia deve reunir mais de mil médicos em palestras, mesas-redondas, mini-conferências e cursos de atualização. Paralelamente acontecerá o "3º Congresso Internacional de Ginecologia e Obstetrícia de Minas Gerais" e o "14º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia da Região Sudeste da FEBRASGO".
A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • Marcia Pereira Silva
    23/02/2013 - 23:47

    Muito bom este site deixa as pessoas informadas adorei

  • Damaris C M de Paiva
    15/10/2015 - 22:11

    Hj tive um aborto espontânea, estou muito triste.
    Desenvolvi essa diabete e acabei perdendo o feto.

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.