Açúcar com moderação - Diabetes, Vida e Comunidade

Açúcar com moderação

25/05/2009 - Correio de Uberlandia


O estudante João Victor de Brito tem 12 anos, gosta de ir para a escola, de estudar, de jogar futebol com os amigos e de mais uma porção de coisas comuns a todos os garotos que têm a mesma idade que ele. E assim como muitos costumam fazer, houve um tempo em que ele também exagerava um bocado na hora de consumir doces.

Ele contou à reportagem do Revistinha que gastava a maior parte do dinheiro que ganhava dos pais comprando bombons, balas, brigadeiros, chicletes e todo o tipo de guloseimas que contém muito açúcar. Além disso consumia tudo sem parar para pensar nas consequências.

“Eu nem parava para pensar na questão da saúde, nem raciocinava,... pegava qualquer trocado ia lá e comprava no mínimo 20 chicletes de cada vez. E aí eu consumia tudo também, bem rapidinho...”, afirmou João Victor.
E foi assim até que o estudante levou um baita susto!

O pai dele, o empresário José Roberto de Brito, é diabético e por isso controla diariamente as taxas de glicose, que é o nome científico do açúcar que fica no sangue. Para fazer isso ele possui um aparelhinho pequeno, que precisa apenas de uma gota de sangue do dedo, que deve ser colocada numa tira de papel, e, em instantes, o aparelho fornece a informação sobre as taxas. Foi assim que João Victor desconfiou que algo poderia estar errado com ele.

Pois o adolescente realizou o exame junto com o pai e o mesmo acusou que sua taxa de açúcar no sangue estava elevada. Isso sem contar que ele já havia notado que sentia vontade fazer xixi a todo instante e estava bebendo muito mais água que o costume, o que são possíveis sintomas de Diabetes. Assim João Victor não bobeou, logo procurou o médico para avaliar como estava sua saúde.

O que é diabetes?

Como você já sabe, é uma enfermidade caracterizada pelo excesso de ‘açúcar’ no sangue, e isso é muito sério, pois essa alteração pode provocar uma série de outros problemas de saúde.

Para você compreender melhor é importante que saiba que todo o organismo humano é composto por células. Assim como as pessoas, que comem arroz, feijão, bife, batata, pizza, hambúrguer, etc..., as células também precisam se alimentar para sobreviver. Só que elas não comem sanduíche e salada como todas as pessoas. Na verdade elas se alimentam do açúcar que existe em todos os alimentos que as pessoas ingerem.

E assim, da mesma forma que as pessoas usam os talheres para comer alguns alimentos, as células, para se alimentarem, utilizam uma substância chamada ‘insulina’, que é produzida pelo pâncreas, um órgão do corpo humano que fica na barriga. É com a ajuda da insulina então que as células conseguem se alimentar, e só assim as pessoas conseguem ter energia para estudar, correr, brincar, passear e até namorar.

Então, a doença surge quando o pâncreas para de produzir insulina como deveria e as células do corpo não conseguem se alimentar.

Com isso todo o açúcar que vem dos alimentos fica ‘sobrando’ no sangue. Esse excesso é eliminado por meio da urina, e isso explica o porquê a pessoa que tem as taxas alteradas sente vontade fazer xixi a toda hora. Mas a história é ainda um pouco mais complicada porque não existe apenas um tipo de Diabetes.

Somente 5% a 10% dos pacientes com diabetes possuem a doença do tipo 1, a qual se desenvolve mais comumente na infância ou na adolescência e não está associada a obesidade.

Porém, a do tipo 2, que geralmente é descoberta após os 30 anos, tem sido cada vez mais observada também em crianças e adolescentes. E além do fator hereditário, ou seja, das características que herdamos dos pais e avós, a obesidade contribui bastante para seu desenvolvimento. Aproximadamente 90% a 95% dos pacientes com diabetes têm diabetes tipo 2. E as estatísticas em relação à doença apresentam uma tendência crescente. Ela atinge 10 milhões de brasileiros e 246 milhões de pessoas no mundo. Estima-se que até 2025, 15 milhões de pessoas tenham a doença aqui. No exterior, o número ultrapassará 330 milhões.

Por isso a principal dica dos especialistas para evitar diabetes é manter o peso adequado. O foco de todos deve ser a mudança de estilo de vida para prevenção, não só de diabetes, como de muitas outras doenças.

A visita ao médico

Foi por isso que a primeira coisa que a médica endocrinologista afirmou para João Victor após conferir o resultado de seus exames, foi a necessidade de ele emagrecer.

“Saí do consultório com a missão de perder pelo menos 23 quilos”, contou o garoto.
Na verdade João Victor ainda não é diabético como o seu pai, por exemplo. Mas ele estava com uma espécie de ‘pré-diabetes’, que é um termo utilizado para identificar as pessoas que possuem risco potencial de desenvolver a doença um dia. Mas isso não significa que todos nesta situação irão deixar a condição de pré-diabético para se tornar um diabético. Os fatores que contribuem para que a doença evolua são justamente o histórico familiar, o excesso de peso, o sedentarismo e os maus hábitos alimentares.

Mas independentemente de qualquer situação, ser ou não diabético ou um pré-diabético, o que importa mesmo é cuidar da saúde do corpo com carinho. E ninguém faz isso sem praticar atividades físicas ou comendo doces, chicletes ou balas exageradamente, faz? Foi por isso que, desde o episódio do susto e após consultar o médico, João Victor mudou radicalmente sua rotina e seus hábitos.

O garoto contou que nunca mais comprou 20 chicletes de uma vez e o melhor, ele nem deixou de consumi-los totalmente. Só que agora presta atenção em tudo. “Ao invés de 20, compro 2, e me sinto satisfeito do mesmo jeito. Aliás me sinto bem melhor, porque agora tenho muito mais energia e disposição”, afirmou.

João Victor passou a praticar exercícios físicos diariamente, inclusive com a ajuda de um personal trainer e segue uma dieta equilibrada, rica em verduras e frutas. Ele contou que aprendeu a comer de tudo, até mesmo aquilo que não gostava, e inclusive a jamais deixar comida no prato.

“Meu pai sempre conta pra minha irmã e eu sobre os detalhes da infância difícil que ele viveu, por isso nos ensinou a não desperdiçar as coisas, especialmente comida. Eu admito que não me preocupava muito com isso antes, mas agora vejo que estou melhorando e procuro manter meus hábitos equilibrados”, afirmou.

O adolescente já conseguiu perder 10 quilos e continua cuidadoso para perder o restante.
“O que mais importa para mim agora é a saúde. Confesso que aproveitei os alimentos diet do meu pai e aprendi a comer bem, nem sinto falta dos doces normais, e posso comer de tudo” afirmou João Victor.  

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

  • Monique Rangel
    15/06/2009 - 16:25

    Gostei muito desse conteúdo pois alerta os adolescentes do risco que eles podem correr se a doença não for tratada desde o início.

    Monique Rangel - RJ

  • eduardo
    25/03/2013 - 15:50

    Boa tarde :esse alerta sobre a diabete,deveria se estender nas escolas para alertar os jovens, do perigo da ma alimentação.

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.