Depressão: uma questão de peso - Diabetes, Vida e Comunidade

Depressão: uma questão de peso

29/06/2009 - Dieta Já


Nem sempre a sensação de que a vida “perdeu o colorido” induz à falta de apetite e ao consequente emagrecimento. Muitas vezes, esta impressão faz o ponteiro da balança disparar, levando à obesidade. O fato é que as duas doenças estão intimamente ligadas. Quem esclarece o assunto é a psicóloga e mestre em nutrição Mara Lofrano, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Como a depressão pode desencadear a obesidade?
Isto ocorre quando a comida é usada como mecanismo compensatório (a pessoa se alimenta na tentativa de aliviar a tristeza), havendo episódios de compulsão alimentar. Além deste fator, o uso de antidepressivos, que aumentam o apetite, pode alterar o metabolismo deixando-o mais lento e propenso ao ganho de peso. Devemos levar em conta, também, o próprio distúrbio emocional. Ele faz a pessoa ficar sem ânimo para praticar atividades físicas, optando, ao contrário, por ficar em casa, deitada e isolada do mundo. Tal inatividade tende ao aumento da massa corporal.

Na situação inversa, quando é que a obesidade gera a depressão?
Nesse caso, os fatores que contribuem para o quadro são: baixa autoestima, insatisfação com a imagem corporal, isolamento social, sentimentos de rejeição, frustração, culpa e vergonha.

A compulsão alimentar, então, já é uma manifestação da depressão?
Sim. Ela, inclusive, acomete até 30% das pessoas com obesidade. Portanto, ficar atento a este “sinal” é uma forma de detectar que algo não está bem. Este descontrole alimentar frequente pode ser fruto de conflitos emocionais e, se não tratados, podem causar um estado depressivo.

Existem outros problemas de ordem emocional que podem ocorrer em pessoas com peso excessivo?
Sem dúvida. A obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento e/ou agravamento de doenças psiquiátricas tais como: transtorno bipolar, transtorno alimentar e ansiedade generalizada. Entretanto, isto não significa que todos os obesos estejam propensos a estes distúrbios.

Há estatísticas que comprovam a relação entre obesidade e depressão?
Sim. Estudos demonstram que 30% das pessoas podem ter depressão ao longo da vida, enquanto os indivíduos obesos têm até três vezes mais (89%) chances de manifestá-la..

Existe um elo forte entre depressão e obesidade. O tratamento deve ser feito em longo prazo, atrelado a mudanças no estilo de vida

Numa população obesa, qual é o período mais “propício” para que ela se manifeste?
Na adolescência existe uma busca pela aceitação. Os jovens passam, sobretudo, a ter dificuldades de entender e lidar com seu novo universo – físico e mental. Há ainda uma extrema preocupação com a imagem corporal. Dentro deste contexto, é possível dizer que a depressão seja mais comum nesta fase. No entanto, vale ressaltar que os sintomas desta doença, podem surgir em qualquer idade. O que influencia – de fato – é o grau de obesidade apresentado pela pessoa, os conflitos emocionais, baixa autoestima, insatisfação com a aparência, isolamento social, bem como sentimentos de inferioridade, culpa, vergonha, medo, dentre outras questões que podem aparecer.

Qual seria o tratamento indicado para uma pessoa obesa e depressiva?
Como, acima de tudo, a obesidade é uma doença multifatorial (provém de diversas causas), é importante o acompanhamento e controle de médico, psicólogo (ou psiquiatra, mediante a necessidade de antidepressivos), nutricionista e educador físico. Este é o ÚNICO tratamento efetivo para essa doença e deve ser feito em longo prazo, atrelado a mudanças no estilo de vida.

Entre estes novos hábitos, qual deles você destacaria?
A prática esportiva. Exercícios são indispensáveis à saúde física e psicológica. Além de reduzir medidas, ameniza os efeitos do estresse, que podem levar à depressão. No entanto, é válido ressaltar a importância do acompanhamento de um profissional habilitado (educador físico) para definir o tipo, a intensidade e a duração desta atividade. Incorporá-la ao dia a dia só trará benefícios.

A discriminação que uma pessoa obesa sofre, devido à sua condição, acentua a depressão. O que ela pode fazer para administrar essa situação?
Não existe uma atitude “correta” para evitá-la, porque cada um tem maneiras diferentes de lidar com questões, que podem incomodar ou até mesmo “ferir” seu estado psicológico. Contudo, buscar “dentro de si” recursos próprios de enfrentamento para tais situações é essencial. Sobretudo, acreditar na sua capacidade de mudança. Na maioria das vezes, no entanto, a pessoa não é capaz de encontrar a “saída” sozinha, desta forma, é imprescindível a atuação de um psicólogo para auxiliá-la.

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Entrevistas
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.