Obesidade nem sempre significa mais risco de morte - Diabetes, Vida e Comunidade

Obesidade nem sempre significa mais risco de morte

03/10/2012 - iG Saúde


Alguns anos atrás, Mercedes Carnethon, pesquisadora de diabetes na Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, encontrou-se refletindo sobre um enigma: a obesidade é o principal fator de risco para o diabetes tipo 2, ainda que uma quantidade considerável de pessoas com peso normal também desenvolva a doença. Por quê?

Intrigante: pacientes diabéticos com peso normal têm duas vezes mais chances de morrer do que aqueles que estão com sobrepeso ou obesos. Esta conclusão faz do diabetes o mais recente exemplo de um fenômeno médico que deixa os cientistas perplexos. Eles chamam isso de paradoxo da obesidade.

Estudo após estudo, pacientes com sobrepeso e moderadamente obesos com determinadas doenças crônicas, muitas vezes vivem mais e se saem melhor do que pacientes com peso normal que apresentam as mesmas doenças. O acúmulo de evidências está inspirando alguns especialistas a reexaminar hipóteses de longo prazo sobre a associação entre a gordura corporal e as doenças.

Carl Lavie, diretor médico de reabilitação e prevenção cardíaca no Instituto de Cardiologia e Medicina Vascular John Ochsner, em Nova Orleans, foi um dos primeiros pesquisadores a documentar o paradoxo da obesidade entre os pacientes com insuficiência cardíaca, em 2002. Ele passou mais de um ano tentando conseguir um periódico para publicar suas descobertas.

“As pessoas achavam que havia algo errado com os dados.Elas diziam: se a obesidade é ruim para doenças do coração , como isso poderia ser verdade?”

Mas havia sinais em toda parte. Um estudo mostrou que pacientes mais pesados que faziam diálise tinham uma chance menor de morrer do que aqueles que tinham peso normal ou estavam abaixo do peso. Em outro estudo, pacientes com sobrepeso e com doença coronariana se saíram melhor do que aqueles que eram mais magros; obesidade leve a mórbida não representou riscos adicionais de morte.

Em 2007, um estudo com 11.000 canadenses ao longo de mais de uma década descobriu que aqueles que estavam acima do peso apresentaram uma chance menor de morrer por qualquer causa.

Até o momento, os cientistas documentaram essas descobertas em pacientes com insuficiência cardíaca, doença cardíaca , acidente vascular cerebral , doença renal , hipertensão arterial – e agora diabetes .

Especialistas estão procurando explicações. Uma ideia é que, uma vez que uma doença crônica se desenvolva, o corpo torna-se catabólico, ou seja, necessita de maior energia e reservas calóricas do que o normal. Se os pacientes não têm essas reservas, podem ficar desnutridos, embora seu peso seja normal, disse Gregg Fonarow, um dos diretores do programa de cardiologia preventiva da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

Alguns pesquisadores suspeitam da genética: talvez as pessoas magras que desenvolvem diabetes, doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas tenham variantes de genes que as tornam mais suscetíveis a essas doenças e as colocam em maior risco quando ficam doentes. Doença cardíaca em pessoas magras pode representar uma doença diferente de doença cardíaca em pessoas mais pesadas, disse Lavie.

Pode ser que os médicos não tratem pacientes magros de forma tão agressiva quanto fazem com pacientes mais pesados – ou o critério em si é o culpado. A maioria dos pesquisadores avalia a obesidade por meio da medição do índice de massa corporal, uma simples relação entre peso e altura. Mas o IMC não leva em conta a gordura corporal, massa muscular magra, anormalidades metabólicas e outras variações da composição física.

Possivelmente, dizem alguns especialistas, não estejamos fazendo a pergunta certa em primeiro lugar. Talvez estejamos tão acostumados a enquadrar as questões de saúde em termos de obesidade, que estamos negligenciando outras causas potenciais de doenças.

Neil Ruderman, endocrinologista da Escola de Medicina da Universidade de Boston, foi o primeiro a identificar uma condição que ele chamou de "peso normal metabolicamente obeso", em 1981. Essas pessoas têm peso na faixa normal na tabela de IMC, mas também têm anormalidades metabólicas, incluindo altos níveis de resistência à insulina e triglicérides. Eles também tendem a carregar gordura ao redor da parte média do corpo, que é tem maior probabilidade de afetar o coração, o fígado e outros órgãos do que quando a gordura está nos quadris e nas coxas.

“Se temos a mente aberta ao olhar para os dados, muitas vezes encontramos fatores que nos confundem e que podem explicar as associações de doenças que atribuímos ao peso”, disse Linda Bacon, professora de nutrição na City College of San Francisco, e autora de "Health at Every Size: The Surprising Truth About Your Weight" ("Saúde em todos os tamanhos: a surpreendente verdade sobre seu peso", em tradução literal).

A boa forma é um fator de confusão importante e muitas vezes não medido, e o número crescente de evidências paradoxais está forçando os especialistas a reavaliar a sua importância.

A ligação entre obesidade e saúde deriva em partes de pesquisas como o Estudo de Framingham sobre o coração, que acompanhou milhares de homens e mulheres desde a década de 1940. Mas Paul McAuley, professor de educação para a saúde na Universidade Estadual Winston-Salem, observou que o Framingham e outros estudos longitudinais muitas vezes deixam de levar em conta a atividade física e a boa forma.

Pesquisas que separam o peso da boa forma – como uma série de estudos realizados por Steven Blair no Instituto Cooper, em Dallas – mostram que ser gordo e saudável é melhor, em questões de saúde, do que ser magro e não saudável. Exercícios aeróbicos regulares podem não levar à perda de peso, mas reduzem a gordura no fígado, onde ela pode causar o maior dano metabólico, de acordo com um estudo recente da Universidade de Sydney.

“Muitas vezes, a boa forma cardiovascular é um prognóstico muito mais importante de risco de mortalidade do que apenas saber quanto você pesa”, disse Glenn Gaesser, autor de "Big fat lies" ("Mentiras grandes e gordas", em tradução literal) e diretor do Centro de Pesquisas de Estilo de Vida Saudável da Universidade Estadual do Arizona.

Em 2005, a epidemiologista Katherine Flegal analisou dados da Pesquisa Nacional de Exames de Saúde e Nutrição dos EUA e descobriu que os maiores riscos de morte estavam associados a cada extremidade do espectro – abaixo do peso ou obesidade mórbida. Os riscos mais baixos de mortalidade estavam entre aqueles na categoria de sobrepeso (IMC de 25 a 30), enquanto a obesidade moderada (30 a 35) não ofereceu nenhum risco a mais do que estar na categoria de peso normal.

Qualquer que seja a explicação para o paradoxo da obesidade, a maioria dos especialistas concorda que os dados lançam uma luz incerta sobre o papel da gordura corporal.

“Manter uma boa forma física é bom e manter o peso baixo é bom”, disse Lavie. “Mas se você tivesse que sair de um, parece que é mais importante manter a boa forma do que ser magro. A boa forma física parece proteger um pouco mais.”

Essa é uma mensagem que pode levar muito tempo para chegar ao seu médico de família, no entanto.

“As mudanças de paradigma levam tempo”, disse Bacon. “Elas também necessitam de coragem. Muitas pessoas não estão dispostas a desafiar as convenções do peso. Elas são muito enraizadas na cultura, e o risco de ir contra a convenção é muito alto.”

 

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.