Garoto de 16 anos descobre sensor para detectar câncer no pâncreas

13/3/2013 - Estadão Conteúdo


Norte-americano inventa sensor para detectar câncer no pâncreas que é muito mais rápido, barato e sensível do que o método atual. Detalhe: ele só tem 16 anos, ainda cursa o ensino médio e agora quer criar um aparelho para reconhecer 15 tipos de doenças

No ano passado, um cientista apresentou uma descoberta brilhante em uma premiação: criou um sensor que detecta câncer no pâncreas com um teste muito mais eficaz do que o utilizado atualmente: 168 vezes mais rápido, 26 mil vezes mais barato, 400 vezes mais sensível e quase 100% preciso. Detalhe: o cientista tinha 15 anos de idade.

Jack Andraka, hoje com 16 anos, é um aluno de ensino médio da cidade de Crownsville, próxima a Washington, nos Estados Unidos. O gosto por ciência, no entanto, não é de hoje.

Quando tinha apenas três anos de idade, o garoto se lembra de ter ganhado uma maquete de plástico com um pequeno rio. Ele e seu irmão faziam testes com a água, vendo qual objeto boiava e qual afundava, qual era levado pela corrente. "Conforme fui ficando mais velho, percebi que a ciência era algo que podia usar para entender o mundo ao meu redor; daí me tornei fascinado por ela!", disse Jack à reportagem por telefone.

Mas a inspiração para criar o sensor que diagnostica câncer de pâncreas - a doença que tirou a vida do cofundador da Apple, Steve Jobs - veio de uma experiência pessoal: um amigo próximo da família, que Jack considerava como um tio, faleceu da doença. As muitas dúvidas sobre o assunto rapidamente levaram o garoto à internet.

"Fui ao Google e descobri que 85% dos casos de câncer de pâncreas são diagnosticados de forma tardia - quando a pessoa só tem 2% de chance de sobreviver", diz o garoto. "Além disso, o teste de diagnóstico atual é uma técnica de 60 anos que custa 800 dólares." Chocado com os números, Jack se convenceu de que devia haver um método mais simples, rápido e barato.

Eureca. O garoto começou a pesquisar sobre biomarcadores de proteínas. "Aí conheci a mesotelina, uma proteína que, em casos de câncer de pâncreas, ovário e pulmão, aparece em alta concentração na corrente sanguínea, mesmo em estágio inicial da doença", explica.

A grande sacada, no entanto, veio numa aula de Biologia. Em vez de prestar atenção, Jack lia um trabalho sobre nanotubos de carbono. "Eles têm o diâmetro 150 mil vezes menor do que o de um fio do seu cabelo, mas têm propriedades incríveis; são os super heróis da ciência material", diz. O aluno então se deu conta de que a professora falava sobre anticorpos, moléculas do sistema imunológico. De repente, ele teve uma ideia: combinar uma rede de nanotubos de carbono e anticorpos, produzindo uma estrutura que pudesse identificar a presença da mesotelina e, portanto, do câncer.

Jack pesquisou sobre o assunto e procurou ajuda de mentores que pudessem lhe orientar para realizar os testes e concretizar o projeto. "Mandei e-mail a 200 professores, e só recebia rejeições: foram 199 rejeições e um ‘talvez’", conta. Três meses depois, ele encontrou-se com a pessoa que lhe dera o "talvez": Dr. Anirban Maitra, professor da escola de medicina da Johns Hopkins, que lhe convidou para uma reunião.

O garoto, apreensivo, compareceu à entrevista munido de seus relatórios, materiais e estimativas de custo, e foi aceito. "Logo que comecei a trabalhar no laboratório, desenvolvi uma estratégia e... não estava funcionando de jeito nenhum!", diz ele. "Demorou cerca de sete meses para garantir que o projeto fosse testado e funcionasse."

O resultado do trabalho certamente impressiona: um sensor em forma de pequenas tiras de papel que, com uma amostra de sangue de alguém, consegue detectar se há câncer de pâncreas, ovário ou pulmão. O teste custa US$ 0,03 e leva cinco minutos.

Com a invenção, Jack foi premiado na Feira Internacional de Ciência e Engenharia da Intel. Ele estuda viabilizar o projeto com apoio de empresas como Quest Diagnostics e LapCorp, da área de diagnósticos. O sensor deve chegar ao mercado entre dois e cinco anos.

Tricorder. Além de ver seu sensor espalhado por aí, Andraka também quer ir além do câncer e o próximo desafio é vencer a competição Tricorder X, lançada durante a feira Consumer Eletronics Show em janeiro. A disputa é uma premiação de US$ 10 milhões em que os participantes devem criar um aparelho portátil para diagnosticar 15 tipos de doenças em 30 pacientes em três dias.

Ao ouvir sobre a competição, Jack entrou em contato com dois de seus amigos finalistas da feira da Intel. Aí nasceu o grupo, a "Geração Z".

O objetivo dos meninos é construir um aparelho do tamanho de um smartphone que detecte qualquer doença pela pele. Jack afirma que está trabalhando num componente do tamanho de um grão de açúcar que possa passar pela pele humana, chegar à corrente sanguínea e detectar doenças por meio da análise de proteínas.

Cada colega seu mora em um lugar diferente e, por isso, trabalha em uma parte específica do projeto. A maioria das discussões é pela internet, principalmente por Skype. A Geração Z ainda está recrutando interessados, e o prazo final para entregar o projeto é 2015.

‘Ele é muito novo’. No fim de fevereiro, Jack Andraka foi um dos palestrantes da conferência de inovação TED. Sua descoberta o tem levado a fazer diversas apresentações. Ele diz que sua idade ainda provoca desconfiança: "Dizem: ‘ele é muito novo, não sabe do que está falando!’", conta o jovem pesquisador. "Mas ao sentar comigo, ler e ouvir sobre o meu trabalho, se convencem." Ele prevê que a idade será cada vez mais irrelevante como critério. "Conheci um monte de adolescentes que fazem pesquisas completamente inovadoras", diz.

Jack fala que, apesar de muitos jovens considerarem a ciência uma área fria e distante, o que o fascina é justamente vê-la aplicada no seu dia a dia. "A questão não é decorar códigos ou fórmulas; há um grande aspecto criativo em fazer ciência; é detectar um problema e pensar em soluções criativas."

Ao longo de seu processo criativo, Jack destaca um componente fundamental: a internet. "Quando comecei esse projeto, eu nem sabia o que era um pâncreas!", afirma. O garoto conta que usou muito o Google e a Wikipedia para pesquisar, pois muitas vezes a biblioteca estava fechada ou desatualizada. "Hoje, é possível fazer pesquisa contemporânea sobre todos esses campos diferentes pelo celular!", diz.

"A tecnologia realmente acelerou o modo como fazemos ciência."

Hoje, Jack frequenta pouco a escola; prefere os laboratórios. Perguntado sobre o que faz para se divertir, ele conta que adora andar de caiaque com sua família e fazer origami. Mas não consegue esconder o lado gênio: "Ah, além das competições internacionais de matemática."

 

 

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!

241 Usuários On-Line




Surgyplast


Novos Associados

Bem-vindos:

  • Delfa - DF
  • Nelson - MG
  • Eloisa - SP
  • Emmanoel - CE
  • Amanda - GO
  • Danielle - GO
Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Abril - 2014
D S T Q Q S S
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930