O coração das diabéticas em risco - Diabetes, Vida e Comunidade

O coração das diabéticas em risco

23/05/2014 - Istoé


A medicina começa a investigar com maior rigor a influência das diferenças entre os sexos nas doenças cardiovasculares e seus desdobramentos. Na semana passada, um time de cientistas do Reino Unido, da Holanda e da Austrália anunciou que as mulheres diabéticas têm 44% mais probabilidade do que homens com a mesma condição de apresentar problemas nas artérias que irrigam o coração, as coronárias – o que pode levar à ocorrência de infarto e insuficiência cardíaca.

O dado é fruto de uma meta-análise de 64 estudos. Ao todo, as informações contidas nesses trabalhos correspondem a 50 anos de observação de um contingente de 858.507 pessoas e 28.203 incidentes coronarianos. É o mais amplo levantamento já feito sobre o tema.

A grande questão agora é identificar as razões dessa diferença.“Existem várias suspeitas, mas até agora nada foi comprovado”, diz a cardiologista Maria da Consolação Vieira Moreira, diretora científica da Sociedade Brasileira de Cardiologia e professora da Universidade Federal de Minas Gerais.

Os autores do levantamento que constatou o risco mais elevado especulam que a diabetes parece prejudicar mais o metabolismo das mulheres. Por isso, quando iniciam o tratamento, elas já enfrentam maiores sequelas. Isso também explicaria o fato de as mulheres terem mais dificuldade para alcançar as metas do tratamento. “Mais estudos são necessários para determinar os mecanismos reais responsáveis ​​pela diferença no risco coronariano relacionada à diabetes entre os sexos”, disse Rachel Huxley, da Universidade de Queensland, na Austrália, uma das autoras da pesquisa. O estudo foi publicado na revista “Diabetologia”.

CÉREBRO
Segundo a médica Maria da Consolação, diabéticas têm mais chance de sofrer AVC do que homens com a enfermidade.

Há de fato grande urgência em saber o que eleva o perigo para o coração feminino. “Uma em cada três mulheres no mundo morre por problemas cardiovasculares. É a doença que mais tira vidas femininas”, diz a cardiologista Maria da Consolação. Para piorar, elas também enfrentam um risco maior do que os homens de sofrer acidentes vasculares cerebrais. Se forem diabéticas, por exemplo, estudos indicam que o risco é 25% maior do que em homens na mesma condição. “Acima dos 55 anos, o risco se torna altíssimo”, diz a médica.

As descobertas estão fomentando o debate. “Se a mulher diabética é de maior risco, é de se pensar em um tratamento mais agressivo para elas. Mas, por enquanto, não existe nenhuma recomendação estabelecida nesse sentido”, diz Maria da Consolação.

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.