Arsenal para tratamento do diabetes ganha reforço com nova insulina - Diabetes, Vida e Comunidade

Arsenal para tratamento do diabetes ganha reforço com nova insulina

03/07/2016 - http://www.acritica.com/channels/entretenimento/news/arsenal


Para muitas pessoas, um diagnóstico de diabetes pode ser devastador. Isso porque viver com a doença pode significar restrições às vezes severas no cotidiano, no estilo de vida e no cardápio dos pacientes, que são orientados a adotar refeições equilibradas ou rigorosas e prática de exercícios, além do controle constante de níveis de açúcar e do uso de remédios como a insulina, comumente aplicada via subcutânea.

Tudo isso dificulta a adesão de pacientes ao tratamento, como aponta a endocrinologista Denise Franco. “É um desafio que eles enfrentam de forma diária, e não só eles como ainda seus familiares”, declara ela, que coordena o Departamento de Novas Terapias da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

Um desses desafios, acresce Denise, está justamente na adesão do paciente à terapia medicamentosa, que em certos casos exige um penoso controle de taxas como a de glicose ou de hemoblogina glicada (que aponta os altos níveis de açúcar em período prolongados) e a aplicação regular de injeções.

Atuando nessa ponta do problema, uma das respostas da indústria farmacêutica é buscar novas formulações que ofereçam vantagens como menor variabilidade glicêmica e efeito mais prolongado.

Um dos resultados desse trabalho é o Toujeo, insulina glargina desenvolvida pela Sanofi para terapia padrão ouro de diabetes de tipos 1 e 2 em adultos. A nova opção oferece solução injetável (300U/ml, ou 300 unidades de insulina por mililitro), com aplicação via caneta descartável Solostar.

Benefícios

Uma das vantagens mais evidentes do Toujeo, em comparação com Lantus (Sanofi-Avertis) – outra formulação de insulina glargina hoje em uso –, é o menor risco de hipoglicemia noturna, com redução de até 25% de episódios em estudos.

A hipoglicemia é a diminuição do nível normal de açúcar no sangue, decorrente da ação da insulina, e resulta em sintomas como fraqueza, desmaios e até alterações no ritmo cardíaco. Quando acontece durante o sono, caso da hipoglicemia noturna, pode causar danos ao organismo ou até ser fatal.

A nova formulação oferece ainda efeito estável e prolongado no controle do nível glicêmico, de mais de 24h. “Para uma mesma quantidade, a liberação é mais lenta”, assinala Luciana Giangrande, diretora médica da Sanofi. “A insulina de 300U/ml funciona de acordo com o metabolismo do indivíduo e sua concentração age por mais tempo”.

De acordo com os especialistas, que apresentaram o produto em coletiva de imprensa na última terça-feira, em São Paulo, o produto é vendido a preço equivalente ao ao Lantus, de R$ 100, em caneta descartável pré-carregada (agulhas vendidas à parte).

A quantidade de unidades por caneta é outra vantagem evidente: o Toujeo traz 450U em 1,5 mililitro, e o Lantus tem 300U em 3ml. E mais: uma vez aberto para uso, o produto não precisa de refrigeração até o fim das aplicações.

Acompanhamento

Em paralelo à chegada da nova opção para o tratamento do diabetes ao mercado, a Sanofi apresentou ainda o Programa StarBem Mais, que oferece suporte e informações sobre a doença aos pacientes, contribuindo para seu controle.

A iniciativa voltada àqueles que aderirem ao tratamento com Toujeo atua em várias frentes, desde o atendimento presencial ou por teleconferência por educadores em saúde, até envio de dicas e orientações via mensagem ou aplicativos de celular.

O StarBem Mais tem cobertura nacional e não oferece custo a mais aos usuários do Toujeo. “Pelo contrário, ele pode obter descontos em medicamentos para tratamentos associados, como o de hipertensão, de até 50%, dependendo da medicação e da dose”, antecipa Luciana.

O programa disponibiliza ainda o Portal StarBem Mais, no endereço www. starbemmais.com.br/.

SAIBA MAIS

O que é O diabetes é uma condição crônica que afeta o processamento do açúcar no sangue, causada pela deficiência na produção de insulina.

Sintomas O açúcar em excesso no sangue afeta todo o organismo, com sintomas como fraqueza, aumento do volume de urina, perda de peso, visão embaçada, entre outros. Mais tarde, leva a complicações graves como doenças cardiovasculares, dos rins e dos nervos periféricos.

Tipos O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune que leva o pâncreas a perder a capacidade de produzir insulina. No tipo 2, ou mellitus, há diminuição na produção de insulina e resistência ao hormônio. Há ainda o diabetes gestacional, condição temporária que pode afetar mulheres em gravidez.

Tratamento Alimentação equilibrada, exercícios físicos e medicamentos – incluindo ou não a insulina – são as principais recomendações para o controle do mal.

NÚMEROS

415 milhões De pessoas de 20 a 79 anos no mundo vivem com diabetes, segundo dados de 2015. No Brasil, em dados mais antigos, mas ainda usados como referência, o número é estimado em 14,25 milhões – metade dos quais não está diagnosticado.

73,2% dos pacientes com diabetes tipo 2 não fazem o con-trole da doen-ça, de acordo com dados de 2009. Já a diabetes tipo 1 tem 89,6% dos pacientes sem adesão ao tratamento.

HISTÓRIA

Evolução do arsenal para tratamento do diabetes

1921: Descoberta da insulina O hormônio responsável pela redução do nível de glicose no sangue é até hoje o mais efetivo fármaco no combate à diabetes. No início, ela devia ser aplicada várias vezes ao dia, com grandes seringas.

1946: Insulina Protamina Hagedorn (NPH) A associação da insulina com a protamina levou à criação de insulinas de ação mais lenta até a década seguinte, permitindo ao paciente aplicar o medicamento de 1 a 2 vezes por dia – em vez de a cada 3 ou 4 horas. Após a guerra, seringas melhoradas começaram a ser desenvolvidas.

1977: Insulina humana Produzida a partir DNA humano recombinante, passou a ser usada amplamente em 1980, em lugar da variante animal, com frequência rejeitada pelo organismo. Medidores e aparelhos usados por pacientes ainda eram bastante arcaicos, mas vêm ficando mais portáteis desde então.

Anos 1990: Insulinas análogas ultrarrápidas Com essa variante de ação rápida, os pacientes puderam aplicar a medicação mais próximo à hora das refeições, com menor risco de hipoglicemias tardias. Pouco antes, em 1985, foram criadas as primeiras seringas em formato caneta.

2001: Insulina glargina O primeiro análogo de longa duração trouxe menor risco de picos em relação à NPH, fornecendo insulina em ritmo constante.

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Dê sua opinião sobre este conteúdo

Nuvem de tags deste conteúdo

Comentários sobre este conteúdo

Seja o primeiro a comentar este conteúdo!

Cadastre seu comentário!


Surgyplast


Noticias
  • Pesquisa
  • Associe-se
  • Fórum

Acompanhe nosso arquivo de conteúdo:

» « Novembro - 2017
D S T Q Q S S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

© Copyright 1997-2017 - e.Mix

As informações apresentadas a você pelo DiabeteNet contém informações gerais.
Nenhuma informação deve ser interpretada como tratamento, diagnósticos, conselhos médicos e não deve substituir a orientação do seu Médico.