O Diabetes

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Retinopatia Diabética

31/05/2002 - DiabeteNet.Com.Br

Retinopatia Diabética
Prof. Dr. Michel Eid Farah

O que é ?
A retinopatia diabética é uma das principais causas de cegueira, fazendo parte ao lado das nefropatias, vasculopatias e neuropatias, do conjunto de complicações mais freqüentes dos pacientes com Diabetes Mellitus que, com o aumento da sobrevida, manifestam progressivamente a doença com maior incidência e gravidade. A retinopatia diabética apresenta comportamento diferente nos pacientes insulino-dependentes, sendo que o controle metabólico adequado tende a retardar o aparecimento e diminuir a gravidade das alterações fundoscópicas que, no entanto, quando já existentes não se modificam significativamente com a normalização da glicemia.

Cuidados
A associação da hipertensão arterial, nefropatia, gravidez e fumo podem piorar o prognóstico. Como a acuidade visual pode estar preservada temporariamente, mesmo nas formas mais severas da retinopatia, os pacientes devem ser orientados sobre a existência e riscos da doença e que somente o controle oftalmológico periódico pode propiciar sua detecção e tratamento precoces, com conseqüente melhor prognóstico para preservação da visão. Todos os diabéticos devem ser submetidos a exame oftalmológico completo com atenção especial a oftalmoscopia direta e indireta e biomicroscopia do fundo do olho com dilatação pupilar. Devem-se fazer avaliações anuais, quando os resultados forem normais, mas os controles periódicos devem serfreqüentemente complementados com retinografia e angiofluoresceinografia e realizadas em intervalos mais curtos se existirem alterações compatíveis com retinopatia diabética, com ou sem baixa visão.

Complicações
A retinopatia diabética pode ser: tipo simples, caracterizada pela presença de microaneurismas, hemorragias superficiais ou profundas, edema de retina, precipitados lipídicos, exsudatos moles e zonas de não perfusão capilar e tipo proliferativa, caracterizada por neovascularização do disco óptico, retina e/ou vítreo.

Tratamento
Não há evidências de ação eficaz , até o momento, de que qualquer tratamento clínico seja profilático ou curativo através da utilização de diversas drogas, sendo que apenas a fotocoagulação tem mostrado bons resultados na prevenção e terapia de alterações retinianas que predispõem à baixa visual reversível. O tratamento mais utilizado é a fotocoagulação com raio laser, sendo que as principais indicações são relacionadas à terapia de edema de mácula, da zona de não perfusão capilar, que leva à neovascularização; e da proliferação fibro-vascular, que leva àhemorragia e tração vítreo-retiniana.

A maculopatia é mais comumnos pacientes insulino independentes e a neovascularização nos insulino-dependentes. O tratamento pode ser cirúrgico através da vitrectomia, quando há hemorragia vítrea persistente e recidivante, ou quando há descolamento tradicional da retina ou distorção da região peri-papilar e do pólo posterior.

MANTER UM BOM CONTROLE DA GLICEMIA É FUNDAMENTAL PARA EVITAR COMPLICAÇÕES NA RETINA.