Noticias

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

Pâncreas biônico pode ajudar milhares de pessoas com diabetes

22/06/2014 - Hypescience

A diabetes é uma doença um tanto ingrata. Só quem tem sabe como é conviver com ela, controlar o nível de açúcar no sangue constantemente, sem poder se descuidar. O mais triste de tudo é que essa é a única solução: aprender a conviver pacificamente com a doença. Ou melhor, era.

Isso porque o biomédico Ed Damiano acaba de fazer história com o desenvolvimento de um pâncreas biônico, controlado por um smartphone. Ele começou a desenvolver esse projeto quando descobriu que seu filho de 11 meses tinha diabetes do tipo 1 – o que significa que ele seria uma dessas pessoas que tem que medir a insulina no sangue diariamente.

Para evitar que seu filho, e outras tantas pessoas, tivesse uma vida tão cheia de restrições, ele estabeleceu um objetivo para sua vida: desenvolver um pâncreas biônico que pudesse se “autocontrolar”. Ou seja: fazer o que o pâncreas natural deveria estar fazendo. O prazo que ele se deu para concluir o projeto e transformá-lo em uma realidade acessível aos portadores da doença era antes de seu filho entrar na faculdade. E parece que Damiano conseguiu.

O que é a diabetes do tipo 1?
Antes de falar mais sobre como funciona o pâncreas biônico, vamos entender exatamente porque ele é necessário.
A diabetes tipo 1 ocorre quando as células do pâncreas morrem. Sim, isso não tem como ser bom. Ainda mais porque essas células são as responsáveis por detectar os níveis de açúcar do sangue, também conhecido como glicose. Quando falta insulina, elas também são as responsáveis por secretar a quantidade necessária para manter os níveis de açúcar normais no sangue. A insulina, por sua vez, permite que a glicose entre nas células do nosso corpo, onde é utilizada como uma fonte de energia. Isso tudo significa que quando há um desequilíbrio de açúcar no sangue, os nossos vasos sanguíneos não só passam fome, como também mantêm o sangue saturado de glicose, o que pode causar danos aos tecidos e às vezes levar ao coma ou até mesmo a morte.
A doença geralmente se desenvolve no início da vida e pode ser gerenciada através de uma cuidadosa monitorização dos níveis de insulina no sangue, controlando os tipos de alimento consumidos, quando e em qual quantidade. Esse monitoramento pode ser feito por meio de atividade física diferenciada e o uso de injeções de insulina para manter os níveis de açúcar no sangue dentro de uma faixa normal.

Uma rotina um tanto exaustiva, não? E não há como negar que, mesmo que uma pessoa com diabetes 1 conviva com esse controle desde que se entende por gente, trata-se de uma vida bastante restritiva, o que certamente tem um impacto emocional considerável.
Como o pâncreas biônico funciona?

O dispositivo assume a complexa tarefa de monitorar e regular os níveis de açúcar no sangue. Falando assim parece fácil, e a ideia é realmente simples, mas seu funcionamento é complexo – tanto que levou alguns anos para ser desenvolvido.
Olha só como funciona: a cada 5 minutos um sinal sem fio (wireless, para os íntimos) é enviado de um monitor de glicose, que está sob a pele do usuário, para um aplicativo de iPhone, mostrando o seu nível de açúcar no sangue. O aplicativo, então, calcula a quantidade de insulina ou do glucagon necessária para equilibrar o açúcar no sangue. Depois que ele faz esse cálculo, outro sinal é enviado para as bombas de insulina também embutidas no usuário. Esse sinal diz quanto de insulina deve ser liberada no sangue, e já faz o trabalho sem precisar de agulhas ou cateteres. Assim, antes de comer, as pessoas podem introduzir dados sobre o tipo e tamanho de sua refeição no aplicativo, para que ele recalcule os níveis de açúcar. Quão genial é isso?

O pâncreas biônico artificial já teve um bom desempenho em ensaios clínicos feitos em hospitais em 2010. Mas o verdadeiro e mais importante teste é saber se ele funciona em um ambiente do mundo real. No último estudo, 20 adultos usando o dispositivo foram hospedados em um hotel por cinco dias, mas ficaram livres para fazer o que quisessem, inclusive comer em restaurantes e ir para a academia. Outros 32 jovens, com idades entre 12 a 20, também foram monitorados durante cinco dias em um acampamento de verão para crianças com diabetes. Para ambos os grupos, os resultados com o pâncreas biônico foram comparados com 5 dias dos participantes usando seu método habitual de controlar a doença – picar o dedo para monitorar os níveis de glicose e usar uma injeção de insulina, que os obriga a calcular manualmente a dosagem.
Resultados

Segundo seu criador, Damiano, “o dispositivo foi além das expectativas, fez um trabalho maravilhoso de controlar o açúcar no sangue”. Tanto os altos quanto os baixos níveis de açúcar foram melhores controlados do que o que os participantes foram capazes de fazer com o método tradicional.
O impacto que isso terá na saúde de pacientes inquestionável. Mas junto dele vem um outro impacto, tão positivo quanto: o emocional. Ele representa uma possibilidade de vida normal para quem nunca se quer pensou que essa fosse uma possibilidade. Demais, não?