Noticias

A Comunidade DiabeteNet.Com.Br tem como finalidade informar e interagir com os seus usuários. Antes de qualquer decisão ou atitude, é indispensavel a discussão sobre os pontos aqui abordados juntamente com médicos de sua confiança.

HTA na gravidez associada a risco de DCV no futuro

04/01/2016 - Jornal Médico

As mulheres que desenvolvem hipertensão (HTA) ou diabetes gestacional durante a gravidez poderão apresentar um risco acrescido de voltar a sofrer destes problemas numa fase posterior das suas vidas, sugerem os resultados de um estudo holandês recentemente divulgados no jornal Hypertension.

De forma a avaliar a forma como estas complicações gestacionais podem vir a ter um impacto na saúde futura da mulher, os investigadores do Centro Médico da Universidade (UMC) de Utrecht seguiram mais de 22 mil mulheres na faixa etária dos 50 anos, durante cerca de 27 a 29 anos após a ocorrência das suas primeiras gravidezes, descobrindo que as mulheres que tinham tido HTA durante a gestação tinham duas vezes maior probabilidade de vir a ter esta condição comparativamente com as mulheres que não tinham tido este problema na gravidez. Para além disso, os investigadores apuraram que as mulheres com HTA na gravidez apresentavam um risco acrescido de virem a sofrer de doença cardiovascular (DCV) numa fase posterior das suas vidas.

No caso da diabetes gestacional, o nível de risco apurado pela equipa de investigação liderada por Karst Heida foi ainda mais relevante. Isto porque mulheres que tiveram a condição durante a gravidez apresentaram uma probabilidade quatro vezes maior de virem a desenvolver diabetes no futuro. Os investigadores holandeses apuraram que de entre todas as mulheres que desenvolveram diabetes ou HTA numa fase posterior das suas vidas, estes problemas foram identificados mais precocemente nas que já os haviam experienciado durante a gravidez.

“Se consciencializarmos que as mulheres que desenvolvem desordens hipertensivas durante a gestação apresentam um risco acrescido de sofrerem de HTA e DCV subsequentes, e que as mulheres com diabetes gestacional têm uma muito maior probabilidade de virem a ter diabetes tipo 2, facilmente percebemos que esta população beneficiariam da introdução de programas de rastreio”, comentou o médico do UMC de Utrecht e investigador líder da pesquisa.

Informação “valiosa” na prevenção das DCV

No total, aproximadamente 6.200 mulheres (28%) neste estudo apresentaram HTA ou pressão arterial (PA) elevada durante a gravidez e cerca de 1.100 (5%) sofreram de diabetes gestacional. Nos anos seguintes, ocorreram mais de 2.500 eventos cardiovasculares, dos quais 1.500 associados a doença cardíaca e 720 devido a acidente vascular cerebral (AVC).

As mulheres com HTA gestacional foram posteriormente diagnosticadas com HTA por volta dos 44 anos (em média), ou seja, cerca de oito anos mais cedo do que as mulheres que desenvolveram HTA sem terem tido essa condição na gravidez.

A grande limitação deste estudo foi o facto de assentar na lembrança das mulheres no que toca à ocorrência ou não de HTA e diabetes durante as suas gravidezes, que aconteceram vários anos antes do início do estudo, referiram os autores no Hypertension. De salientar, ainda, que os níveis elevados de PA são mais prejudiciais quanto mais cedo na gestação se desenvolverem, sendo que neste estudo os investigadores não conseguiram identificar esse timing nas mulheres avaliadas.

Ainda assim, as conclusões deste estudo devem servir de alerta para as mulheres encararem qualquer complicação na gravidez como um risco acrescido em termos de saúde futura, comentou a investigadora da Universidade McGill de Montreal, Kaberi Dasgupta.

Por sua vez, Deirdre Tobias, investigadora do Brigham and Women’s Hospital e da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, apontou que as mulheres podem minimizar o risco de virem a sofrer deste tipo de complicação se tiverem um peso normal na altura em que engravidam e se, no caso de desenvolverem HTA ou diabetes gestacional, trabalharem diretamente com o seu médico para melhorar o estilo de vida, nomeadamente ao nível da dieta. “Saber que as mulheres que têm estes problemas na gravidez apresentam um risco acrescido de determinados outcomes em saúde numa fase posterior das suas vidas pode ser uma informação valiosa; uma janela aberta para o seu potencial de risco em saúde futuro”, refere Deirdre Tobias, acrescentando que “devemos utilizar esta informação como alavanca para ajudar as mulheres a monitorizarem o seu estado de saúde depois da gravidez e motivá-las para uma mudança de estilo de vida, na medida em que diabetes, HTA e DCV estão no grupo das doenças preveníveis”.